24 Setembro 2021, 09:33

Contas de 2020 da STCP com diminuição recorde de passageiros e receita

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

A Sociedade de Transportes Coletivos do Porto (STCP) teve, em 2020, uma diminuição “nunca antes vista” da procura, transportando menos 27,5 milhões de passageiros, tendo fechado as contas com um prejuízo de cerca de 12 milhões de euros.

A empresa de transporte público aprovou, em Assembleia Geral, as contas individuais e consolidadas de 2020, ano em que, indica a STCP em comunicado, a atividade da empresa foi “fortemente” afetada pela pandemia de Covid-19, apesar de se ter mantido ativa e ter inclusivamente reforçado a sua oferta, em alguns períodos do ano.

“No entanto, com o confinamento, com a larga maioria das atividades económicas encerradas e a adoção da modalidade de teletrabalho, verificou-se uma diminuição no número de passageiros transportados nunca antes vista na história da STCP e consequentemente na receita de transporte”, assume o maior operador de transporte público da Área Metropolitana.

De acordo com os dados divulgados, em 2020, a STCP transportou 49,2 milhões de passageiros, com redução de cerca de 27,5 milhões (-35,8%) em comparação com o ano de 2019.

Esta redução está refletida nas contas consolidadas de 2020, que revelam que a receita do serviço de transporte sofreu uma diminuição de 17,3 milhões de euros (35,1%) comparativamente com o ano de 2019, atingindo o valor de 32,1 milhões de euros, em linha com a quebra da procura.

A agravar este resultado, acresce o facto de não ter ocorrido aumento nos preços dos títulos de transporte em 2020.

A empresa encerrou 2020 com o EBITDA [resultado sem depreciações] recorrente negativo de 3 milhões de euros, representando um agravamento, face a 2019, de 6,5 milhões de euros (-186%).

O resultado líquido foi também ele negativo em 12 milhões de euros, registando um agravamento de 8,9 milhões de euros (-281%), face ao ano anterior.

Segundo o operador, esta evolução deveu-se essencialmente ao agravamento do resultado operacional (EBIT) em 11 milhões de euros (-826%) e ao desagravamento do resultado financeiro em 2,2 milhões de euros (47,2%), face a 2019, que atingiram os valores negativos de 9,8 milhões de euros e 2,5 milhões de euros, respetivamente.

Já na rubrica de investimentos, foram realizados mais de 17,9 milhões de euros.

Naquele ficou concluída a primeira fase do Programa de Renovação da frota de autocarros da STCP, iniciado em 2018, com a receção das últimas 79 viaturas a gás natural, de um total de 188 novos autocarros, dos quais 15 elétricos e 173 a gás natural, que foi responsável por 95% do total do investimento realizado.

Em comunicado, a STCP destaca ainda o novo Posto de Abastecimento a Gás Natural Veicular, na Estação de Recolha da Via Norte que entrou em funcionamento no terceiro trimestre de 2020.

Este equipamento enquadra-se na aposta da empresa por combustíveis mais eficientes e mais amigos do ambiente, representando um investimento associado de 2,52 milhões de euros, cofinanciado pelo POSEUR.

Em matéria de recursos humanos, foram integrados no quadro pessoal da STCP, a 31 de dezembro de 2020, mais 1.333 trabalhadores, representando um reforço de 44 trabalhadores comparativamente com o ano anterior. De forma global, ao longo do ano de 2020 ocorreram 62 saídas e entraram 106 novos trabalhadores.

O ano de 2020 marcou também a passagem da STCP para a esfera intermunicipal, com a entrada em vigor, em 27 de dezembro, do terceiro aditamento ao Contrato de Serviço Público, celebrado entre os municípios servidos pela rede de transporte da empresa – Gondomar, Maia, Matosinhos, Porto, Valongo e Gaia – e a STCP, consolidando-se assim a transição para a Intermunicipalização da STCP, que teve início a 01 de janeiro de 2021.

Sem comentários

deixar um comentário