15 Maio 2022, 06:56

Coreia do Norte promete reforçar capacidade nuclear

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Seul, 26 abr 2022 (Lusa) — O líder norte-coreano, Kim Jong-un, prometeu aumentar a capacidade nuclear do país, durante um desfile militar na capital, Pyongyang, para marcar o 90.º aniversário das forças armadas da Coreia do Norte.


Segundo a agência de notícias oficial norte-coreana KCNA, Kim disse que o país “continuará a tomar medidas para reforçar e desenvolver as suas forças nucleares ao ritmo mais rápido possível”.


“Com vista a um contexto político e militar turbulento e a várias crises que estão por vir”, as armas nucleares são “um símbolo do poder nacional” e devem ser diversificadas, defendeu o líder norte-coreano.


Kim acrescentou que, embora as armas nucleares tenham sobretudo um papel dissuasor, podem ser utilizadas se os “interesses fundamentais” da Coreia do Norte forem ameaçados.


A KCNA não divulgou até ao momento imagens do desfile militar, mas disse que o míssil balístico intercontinental Hwasong-17 foi exibido, levando “os espetadores a soltarem altos gritos de alegria”.


A Coreia do Norte afirma ter lançado pela primeira vez o Hwasong-17 em março, um míssil apresentado em 2020 e que terá um alcance de 15 mil quilómetros.


Os desfiles militares na Coreia do Norte são uma forma recorrente de assinalar datas importantes para o regime de Pyongyang.


Participam normalmente nestas paradas milhares de soldados, seguidos por um desfile de tanques e outros equipamentos militares.


Os observadores internacionais seguem atentamente estes desfiles à procura de indícios de novo armamento desenvolvido pela Coreia do Norte.


Várias fontes governamentais anónimas disseram à agência noticiosa Yonhap, da Coreia do Sul, no fim de semana, que esperavam que fosse “o maior desfile militar de sempre”, envolvendo cerca de 20.000 soldados.


A Coreia do Norte já realizou mais de uma dúzia de testes de armas este ano, incluindo o disparo de um míssil balístico intercontinental.


Analistas norte-americanos e sul-coreanos advertiram que a Coreia do Norte poderia também retomar os testes nucleares, que não faz desde 2017, atendendo ao aumento da atividade detetada nos locais de testagem militar.



VQ (MP) // CAD


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário