22 Maio 2022, 23:59

Costa acredita que a descentralização vai “correr bem e acabar melhor”

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

O primeiro-ministro afirmou hoje que o processo de descentralização vai “correr bem e acabar melhor”, apelando à necessidade do diálogo entre os envolvidos para identificar problemas e soluções.

“É um processo que vai correr bem e acabar melhor”, disse António Costa à entrada para a Conferência sobre o Futuro da Europa, na Fundação de Serralves, no Porto.

Importante é que haja um “clima de diálogo” entre os envolvidos no processo para se identificarem os problemas e as soluções para esses mesmos problemas, referiu.

Costa salientou que naquela que é a maior reforma que o Estado fez nas últimas décadas é natural que existem problemas das mais diversas naturezas.

“Há problemas das mais diversas naturezas, mas importante é identificá-los e com boa-fé uns e outros procurem encontrar soluções para alguns desses problemas”, vincou.

E, a propósito de problemas, nomeadamente sobre o facto do executivo da Câmara do Porto ter aprovado a 19 de abril a saída da Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP), Costa ressalvou que essa questão “transcende” o Governo.

“É uma relação onde não temos de nos meter. Sei que não há ainda entendimento”, reforçou.

Sem comentários

deixar um comentário