06 Dezembro 2022, 19:53

Costa afirma que estranho seria ter escolhido “adversário do PS” para ministro

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

PUB – CONTINUE A LER A SEGUIR



O primeiro-ministro, António Costa, afirmou hoje que estranho seria se tivesse escolhido um “adversário do PS” e não um elemento do partido para as funções de ministro da Saúde, assumidas hoje por Manuel Pizarro.

“Diria que ficaríamos todos mais surpreendidos, e provavelmente aqueles que votaram no PS teriam boas razões para criticar, se em vez de ter nomeado alguém do PS tivesse nomeado um adversário do PS. Isso é que me pareceria bastante estranho”, defendeu hoje António Costa.

O primeiro-ministro falava à saída da cerimónia de posse do novo ministro da Saúde, Manuel Pizarro, que decorreu hoje no Palácio de Belém, em Lisboa.

Questionado sobre as críticas dirigidas por alguns partidos da oposição à escolha do novo ministro, António Costa respondeu que “as oposições têm sempre que encontrar alguma coisa para dizer e raras vezes são muito imaginativas”.

O primeiro-ministro deixou um agradecimento a Marta Temido, antecessora no cargo e que esteve presente na cerimónia, por “toda a dedicação e empenho e o serviço prestado ao país”, principalmente na época de pandemia da covid-19.

Depois, agradeceu a Manuel Pizarro a sua disponibilidade para regressar a Portugal — visto que estava a exercer funções como eurodeputado — voltando a um ministério onde já exerceu funções como secretário de Estado nos governos liderados por José Sócrates.

“Encontra agora outra forma de servir a saúde dos portugueses para além da sua própria qualidade de médico”, acrescentou.

Para o primeiro-ministro, Pizarro tem todas as condições para “prosseguir a execução do programa de Governo, dar continuidade às reformas em curso e prosseguir a estratégia de reforço do Serviço Nacional de Saúde”.

Sem comentários

deixar um comentário