22 Maio 2022, 23:52

Costa afirma que ideia de ilegalizar PCP é inconcebível e condena “caça às bruxas”

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

O primeiro-ministro considerou hoje “inconcebível” a ideia de uma ilegalização do PCP por suposto apoio à Rússia, salientou o papel dos comunistas para a democracia portuguesa e condenou quem pretende criar “um clima de caça às bruxas”.

Estas posições foram transmitidas por António Costa, em São Bento, em conferência de imprensa, depois de confrontado com a posição do presidente da Associação de Refugiados Ucranianos em Portugal, segundo o qual o PCP já não deveria existir.

O líder do executivo português repudiou essa perspetiva e começou por observar que Portugal, no plano diplomático, “tem uma postura inequívoca de apoio à Ucrânia e de condenação absoluta da atividade da Rússia”.

“Apoiamos a investigação de crimes de guerra cometidos pela Rússia, mas a nós também nos cabe defender a democracia e a liberdade na nossa terra. Obviamente, não entraremos em Portugal num clima de caça às bruxas e respeitamos o pluralismo próprio que resulta da vontade livre dos cidadãos portugueses de escolherem os partidos em que votam”, respondeu o primeiro-ministro.

Perante os jornalistas, António Costa apontou que “é claro para todos a profunda divergência que o Governo mantém com a posição que o PCP tem afirmado relativamente ao conflito da Ucrânia”.

“Mas, da divergência política com o PCP passar para a ilegalização do PCP, é algo absolutamente inconcebível num Estado de Direito democrático, num regime democrático consolidado, onde o PCP deu um contributo importante para que este regime de democracia exista”, acentuou.

O primeiro-ministro foi ainda mais longe na sua posição, frisando que “faz parte de uma democracia que os partidos políticos tenham liberdade para fixarem as suas próprias posições”.

“Posições das quais divergimos, mas que temos de respeitar no quadro da democracia”, acrescentou.

Tags

Sem comentários

deixar um comentário