28 Setembro 2021, 17:36

Costa confiante na capacidade de adaptação da GNR para a proteção das fronteiras

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Lisboa, 15 jun 2021 (Lusa) – O primeiro-ministro manifestou-se hoje confiante na capacidade da GNR de se adaptar ao novo desafio colocado pelo poder político no sentido de proteger as fronteiras na sequência da extinção do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF).


Esta posição foi transmitida por António Costa após ter presidido no Largo do Carmo, em Lisboa, à cerimónia de entrega da espada de oficial-general ao primeiro brigadeiro-general da Guarda Nacional Republicana (GNR), António Bogas – ato que considerou representar “um dia histórico” para esta força de segurança.


“Diria mesmo que se trata de um dia histórico para o sistema de defesa nacional e de segurança interna em Portugal. A GNR é uma instituição que tem uma natureza muito própria: É uma força de segurança, mas é uma força de natureza militar”, apontou.


No seu breve discurso, o líder do executivo elogiou sobretudo “a proximidade da guarda na ligação entre o Estado e as comunidades e para a humanização da própria GNR”, dando como exemplo, depois, o facto de muitas missões internacionais, ou das Nações Unidas, ou da União Europeia, solicitarem a presença de forças de segurança com a natureza da GNR.


António Costa considerou então que a GNR “tem uma capacidade única de se adaptar e de responder sempre presente aos sucessivos desafios que lhe são colocados pelo poder político”, designadamente na sequência “da tragédia dos incêndios de 2005 com a criação de uma nova valência para intervenção, proteção e socorro”.


“Agora, de novo, novas missões lhe são solicitadas no âmbito da vigilância e proteção das nossas fronteiras externas da União Europeia em resultado da extinção do SEF. Não é uma missão desconhecida para a guarda, mas é porventura uma missão já esquecida. Por isso, é necessário reinventá-la e reconstruí-la – e estamos certos de que a GNR o fará com o brio que lhe é característico”, acentuou o primeiro-ministro.



PMF // ACL



Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário