09 Setembro 2022, 08:21

Costa garante que Alemanha “pode contar 100% com o empenho de Portugal” para construção de gasoduto

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

PUB – CONTINUE A LER A SEGUIR



O primeiro-ministro garantiu hoje que “a Alemanha pode contar 100% com o empenho de Portugal para a construção do gasoduto”, depois de o chanceler alemão ter apelado à construção dessa infraestrutura para reduzir a dependência de gás russo.

“A Alemanha pode contar 100% com o empenho de Portugal para a construção do gasoduto. Hoje para o gás natural, amanhã para o hidrogénio verde”, escreveu António Costa numa publicação na sua conta oficial da rede social Twitter.

Segundo o chefe do executivo, até à concretização desse gasoduto, “o Porto de Sines poderá ser utilizado como plataforma logística para acelerar a distribuição de Gás Natural Liquefeito (GNL) para a Europa”.

O chanceler alemão, Olaf Scholz, manifestou-se hoje a favor de um gasoduto que transporte gás a partir de Portugal através de Espanha e França para o resto da Europa, para reduzir a atual dependência de gás russo.

Em conferência de imprensa, Scholz lamentou que essa ligação ainda não tenha sido construída, porque agora permitiria dar uma “contribuição maciça” para o abastecimento no norte da Europa, devido à crise energética que surgiu após a guerra na Ucrânia.

O chanceler, citado pela agência espanhola Efe, acrescentou que falou com os seus colegas de Portugal, Espanha e França e com a presidente da Comissão Europeia para impulsionar esse projeto, já que a existência de ligações com o norte de África ajudaria a diversificar o fornecimento.

Um gasoduto com estas características “resolveria os problemas atuais”, acrescentou o chanceler alemão, que destacou os esforços do seu governo para reduzir a dependência energética em relação à Rússia e admitiu que os anteriores não consideraram essa possibilidade.

“Todos os governos, todas as empresas devem ter em conta que as situações podem mudar e preparar-se para se isso acontecer”, disse Scholz, depois de reconhecer que a atual coligação governamental (sociais-democratas, Verdes e liberais) foi “surpreendida” pela falta de alternativas a uma possível redução no abastecimento de gás russo.

Apesar dessa situação, o dirigente alemão salientou que se conseguiu “em tempo recorde” procurar alternativas para garantir o fornecimento de gás no próximo inverno, mas admitiu que “será mais caro”.

Sem comentários

deixar um comentário