05 Dezembro 2022, 11:30

Costa nega que planos de qualificação se destinem sobretudo a financiar o Estado

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Lisboa, 28 jul 2021 (Lusa) — O primeiro-ministro rejeitou hoje que os planos de investimentos do Governo se destinem sobretudo a financiar o Estado, apontando que na formação profissional apenas uma pequena parte de 5,5 mil milhões de euros se destina à administração pública.


“Ao contrário do que muitas vezes tenho ouvido dizer, estes planos não se destinam a financiar o Estado. Há uma pequena parcela para a qualificação dos funcionários públicos, cerca de 80 milhões de euros num universo total de 5,5 mil milhões de euros”, declarou António Costa.


O líder do executivo falava no Picadeiro Real do Museu dos Coches, em Lisboa, após a cerimónia de assinatura de um acordo sobre formação profissional celebrado entre a UGT, as confederações patronais e o Governo — um compromisso que não envolveu a CGTP-IN.


De acordo com o primeiro-ministro, as verbas serão postas à disposição “seja do sistema educativo, seja dos centros de formação profissional, politécnicos, universidades e empresas”.


“É essencial podermos aproveitar estes recursos — e aproveitá-los bem. Esta formação não pode ser para se disfarçar situações de desemprego”, advertiu.


Para António Costa, o acordo agora alcançado em sede de concertação social “é da maior importância para o futuro do país”.


“Entre o Plano de Recuperação e Resiliência e o Portugal 2030, temos mais de cinco mil milhões de euros exclusivamente dedicados às qualificações e às competências. A mobilização destas verbas exige necessariamente um ativo envolvimento dos parceiros sociais”, indicou.


Nos programas de formação e qualificação profissional, segundo o líder do executivo, “há uma parte do esforço que compete naturalmente às políticas públicas”.


Nesse sentido, disse já estarem abertos “dois avisos da maior importância: Um para a formação de jovens nas áreas da ciência e tecnologias, envolvendo cerca de 30 mil; e outro para formar 1,145 milhões de adultos ativos”.


“É um esforço gigantesco que temos só nestas duas áreas”, acrescentou.


 


PMF // ACL


 


Lusa/Fim


 

Sem comentários

deixar um comentário