04 Julho 2022, 00:03

Covid-19: Açores acompanham fim da obrigatoriedade do uso de máscaras

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Ponta Delgada, Açores, 22 abr 2022 (Lusa) – O uso de máscaras ou viseiras deixa de ser obrigatório também nos Açores, à exceção de locais frequentados por pessoas vulneráveis, como lares, serviços de saúde e transportes públicos, anunciou hoje o Governo Regional.


Numa nota de imprensa divulgada no seu portal, o executivo de coligação PSD/CDS-PP/PPM esclarece que, na Região, “é aplicável o regime decorrente da alteração legislativa operada” na quinta-feira pelo Governo da República.


Assim, o uso obrigatório de máscaras ou viseiras, “só é determinado para acesso ou permanência em estabelecimentos e serviços de saúde, estruturas residenciais ou de acolhimento ou serviços de apoio domiciliário para populações vulneráveis, pessoas idosas ou pessoas com deficiência”.


A máscara deve ainda ser usada em “unidades de cuidados continuados integrados da Rede Regional de Cuidados Continuados Integrados e em transportes coletivos de passageiros, incluindo o transporte aéreo, bem como no transporte de passageiros em táxi ou TVDE”, acrescenta o Governo Regional.


A ministra da Saúde, Marta Temido, anunciou na quinta-feira que chegou ao fim a obrigatoriedade do uso de máscaras em Portugal continental em espaços públicos, à exceção de lares, hospitais, serviços de saúde e locais caracterizados pela elevada intensidade de utilização e difícil arejamento, como transportes coletivos de passageiros.


Ainda na quinta-feira, o Presidente da República promulgou o diploma do Governo que reduz a obrigatoriedade do uso de máscaras no âmbito da pandemia de covid-19.


Nos Açores, de acordo com o Governo Regional, “é entendido que não devem ser impostas medidas mais restritivas do que aquelas que resultam da Resolução do Conselho de Governo nº27/2022, de 9 de Março, considerando a atualização decorrente do Decreto-Lei nº30-E/2022, de 21 de Abril”.


O executivo açoriano justifica a decisão ainda com “a situação epidemiológica atual na Região Autónoma dos Açores”, que a 20 de abril tinha “um R(t) de 0,93, a segunda taxa mais baixa do país”.


Por outro lado, sublinha, “é evidente o reduzido número de situações graves de doença verificados nas últimas semanas”.


O Governo assinala que, atualmente, apenas se encontram duas pessoas em Unidade de Cuidados Intensivos (UCI) e que “a tendência das últimas semanas tem sido de um ou dois internados em UCI”.


Refere ainda, “o muito baixo número de óbitos verificados nas últimas semanas — um na última semana e oito nos últimos 30 dias” –, sendo que, “na sua larga maioria, corresponde a pessoas de elevado nível etário e com diversas comorbilidades associadas”.


Além disso, também que foram tidas em consideração “as elevadas taxas de vacinação primária completa (91,6%) e de vacinação de reforço (52%)”.


Os Açores registaram, na última semana, 2.411 novos casos de infeção pelo SARS-CoV-2, que provoca a doença covid-19, e um óbito, tendo atualmente 2.328 casos ativos, informou hoje a Autoridade de Saúde Regional.



APE // ACG


Lusa/fim

Sem comentários

deixar um comentário