03 Agosto 2022, 21:02

Covid-19: África do Sul aprova uso de comprimido do laboratório Merck

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Joanesburgo, 17 fev 2022 (Lusa) — O regulador do setor dos medicamentos na África do Sul anunciou hoje que tinha aprovado a utilização do comprimido contra a covid-19 do laboratório Merck, destinado a adultos de alto risco.


A Autoridade Reguladora dos Medicamentos da África do Sul disse numa declaração que tinha “autorizado condicionalmente a importação de Molnupiravir”, um tratamento antiviral oral, por um período inicial de seis meses.


“A autorização do Molnupiravir (…) oferece um tratamento adicional na luta contra a covid-19”, disse o chefe da Autoridade Reguladora de Produtos Sanitários da África do Sul (SAHPRA), Boitumelo Semete-Makokotlela.


Com mais de 3,6 milhões de infeções e 96.000 mortes registadas desde o início da pandemia, a África do Sul é o país mais afetado do continente.


Tomado no período de cinco dias após o início dos sintomas, o medicamento desenvolvido pela Merck (Merck Sharp & Dohme fora dos Estados Unidos e Canadá) limita a capacidade do vírus de se replicar, travando assim a doença.


O fármaco reduz o risco de hospitalização e morte em 30% na população suscetível, de acordo com os ensaios clínicos realizados em 1.400 participantes, antes do surgimento da variante Ómicron.


No entanto, o tratamento permanece “ativo” contra a variante Ómicron, disse a empresa americana em finais de janeiro, com base nos resultados de seis estudos laboratoriais.


O comprimido da Merck foi aprovado em meados de dezembro nos Estados Unidos e final de janeiro na União Europeia (UE).


A Merck assinou um acordo de licenciamento voluntário que permitirá aos fabricantes de genéricos produzir o seu medicamento, para facilitar o acesso global a um preço acessível.


Assinado em janeiro, o acordo permitirá o acesso ao medicamento a 105 países de baixo e médio rendimento.


Embora a vacinação continue a ser o principal instrumento na luta contra a pandemia, os peritos congratulam-se com a chegada dos tratamentos orais da covid-19 – da Merck e de outra empresa norte-americana, a Pfizer.


Mais fáceis de fabricar do que as vacinas e sem necessidade de uma cadeia de frio, os medicamentos irão acabar por estar disponíveis nas farmácias, mediante receita médica, e podem ser tomados facilmente em casa, enquanto os anteriores tratamentos contra a covid-19 são administrados por via intravenosa.


A covid-19 provocou pelo menos 5.848.104 mortos em todo o mundo desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.


A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China.


A variante Ómicron, que se dissemina e sofre mutações rapidamente, tornou-se dominante no mundo desde que foi detetada pela primeira vez, em novembro, na África do Sul.



SMM // VM


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário