20 Setembro 2021, 06:58

Covid-19: Angola regista três mortes e 131 novos casos nas últimas 24 horas

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Redação, 31 jul 2021 (Lusa) — Três pessoas morreram em Angola nas últimas 24 horas, vítimas de covid-19, elevando o número de óbitos para 1.011, avançou a Direção Nacional de Saúde Pública daquele país no boletim epidemiológico hoje divulgado.


De acordo com as autoridades angolanas, duas das vítimas mortais eram do sexo masculino e as três pessoas (uma no Bié, uma no Moxico e uma na Huíla) tinham idades entre 1 semana e 61 anos.


No mesmo período foram reportados 131 novos casos de infeção pelo coronavírus Sars-Cov-2, quase um terço dos quais na capital.


Dos novos doentes registados desde sexta-feira, 40 vivem em Luanda, 21 no Moxico, 18 na Lunda Sul, 15 no Cunene, 13 na Huíla, 11 no Huambo, cinco na Lunda Norte, quatro em Cabinda, dois no Zaire, um no Bié e um em Benguela, segundo a Direção Nacional de Saúde Pública angolana.


O organismo refere ainda que as pessoas infetadas nas últimas 24 horas tinham idades entre 1 mês e 99 anos, sendo 70 do sexo masculino e 61 do feminino.


Com estes novos casos, o número de infetados por covid-19 em Angola sobe para 42.777.


Deste total, estão ainda doentes 4.511 pessoas (três em estado crítico, 18 em estado grave, 93 moderados, 38 ligeiros e 4.359 assintomáticos), sendo que 152 pessoas estão internadas, indica a Direção de Saúde Pública angolana, acrescentando que 140 cidadãos estão em quarentena institucional e 1.833 em vigilância epidemiológica.


O organismo gerido pela secretaria de Estado para a Saúde Pública contabiliza também 547 pessoas que recuperaram da infeção, adiantando que tinham idades entre 1 e 84 anos e que mais de 90% (493) eram de Luanda.


A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 4.202.179 mortos em todo o mundo, entre mais de 196,5 milhões de casos de infeção pelo novo coronavírus, segundo o balanço mais recente da agência France-Presse, divulgado na sexta-feira.


A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em países como o Reino Unido, Índia, África do Sul, Brasil e Peru.



PMC // TDI


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário