02 Janeiro 2023, 11:56

Covid-19: Cabo Verde regista mais duas mortes e 171 novos infetados

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Praia, 02 jun 2021 (Lusa) – Cabo Verde registou mais duas mortes provocadas pela covid-19, elevando para 266 o total de óbitos associados à doença no país, que contabilizou mais 171 novos infetados nas últimas 24 horas, divulgou hoje o Ministério da Saúde.


De um total de 974 amostras analisadas desde terça-feira pelos laboratórios de virologia, o Ministério da Saúde informou em comunicado que foram encontrados 171 novos infetados pelo novo coronavírus, numa taxa de positividade global de 17,6%.


Na ilha de Santiago, há mais 83 novos casos, repartidos pelos municípios da Praia (49), Santa Catarina (10), Santa Cruz (8), Ribeira Grande e Tarrafal, com quatro cada, São Miguel (3), São Lourenço dos Órgãos (2) e São Domingos (1).


Há mais 33 pessoas infetadas em São Vicente, 17 no Maio, 23 no Fogo, sendo 14 em São Filipe e 9 nos Mosteiros, 13 em Santo Antão, divididos em Porto Novo (19) e Ribeira Grande (3), e um cada no Sal e na Brava.


Nas últimas 24 horas, as autoridades de saúde registaram ainda duas mortes provocadas pela covid-19, um na Praia e outro em Santa Catarina, e Santiago, elevando para 266 o total de óbitos associados à doença no país.


Por outro lado, mas 140 pessoas tiveram alta, passando o país a ter 28.944 casos considerados recuperados da doença.


Com os novos casos, Cabo Verde elevou para 30.694 o número de infeções pelo SARS-CoV-2 acumulados desde o início da pandemia no país, em 20 de março de 2020, e contabiliza ainda 1.466 casos ativos.


O Governo prorrogou na sexta-feira, por mais 30 dias, a situação de calamidade em todas as ilhas, mantendo medidas de limitação de atividades com aglomerações de pessoas.


A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 3.681.985 mortos no mundo, resultantes de mais de 171 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.


A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.



RIPE // JH


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário