26 Janeiro 2022, 15:37

Covid-19: Cabo Verde volta a bater recorde e chega a quase mil casos em 24 horas

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Praia, 31 dez 2021 (Lusa) – Cabo Verde registou nas últimas 24 horas 994 infetados com o novo coronavírus, responsável pela pandemia de covid-19, um novo recorde diário, segundo dados divulgados hoje pelo Ministério da Saúde.


De acordo com o boletim epidemiológico do Ministério da Saúde, os laboratórios de virologia do arquipélago processaram igualmente um recorde de 2.890 amostras desde quinta-feira, com uma taxa de positividade global para o novo coronavírus de 34,4%.


O país tem registado esta semana recordes diários de novos infetados, mas há 29 dias que não contabiliza qualquer óbito por complicações associadas à doença.


Nas últimas 24 horas foram registados 314 novos casos de covid-19 só na cidade da Praia, ilha de Santiago, com uma taxa de positividade de 45%, tendo em conta as 698 amostras analisadas. Ainda na ilha de Santiago registaram-se 66 novos infetados, nos restantes municípios.


Foram também detetados novos casos de covid-19 nas ilhas de São Vicente (273), Sal (218), Santo Antão (46), Fogo (34), Maio (25), São Nicolau (nove) e Boa Vista (nove).


Foram dadas como recuperadas da doença 59 pessoas e manteve-se em 351 o acumulado de óbitos por complicações associadas à covid-19, além de 17 por causas externas, desde o início da pandemia.


Cabo Verde passa a contar com um acumulado de 41.732 casos de infeção pelo novo coronavírus, SARS-CoV-2, desde 19 de março de 2020 (quando foi diagnosticado o primeiro infetado no arquipélago), distribuídos por todos os 22 municípios das nove ilhas habitadas, segundo os dados do Ministério da Saúde.


O arquipélago regista hoje 3.064 casos ativos de covid-19 — dez vez mais em apenas uma semana – e soma 38.291 casos considerados recuperados da doença, enquanto dois infetados estrangeiros foram transferidos para os países de origem.


A covid-19 provocou 5.428.240 mortes em todo o mundo desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.


A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em vários países.


Uma nova variante, a Ómicron, considerada preocupante e muito contagiosa pela Organização Mundial da Saúde (OMS), foi detetada na África Austral, mas desde que as autoridades sanitárias sul-africanas deram o alerta, a 24 de novembro, foram notificadas infeções em pelo menos 110 países, sendo dominante em Portugal.



PVJ // MDR


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário