26 Outubro 2021, 19:55

Covid-19: Casos voltam a aumentar em Itália com cerca de 21.000 nas últimas 24 horas

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Roma, 03 mar 2021 (Lusa) – Os novos casos de covid-19 voltaram a subir em Itália, com 20.884 infeções e 347 mortes nas últimas 24 horas, segundo dados do Ministério da Saúde, que mantém fortes restrições para as próximas semanas.


Este número representa um forte aumento de casos em relação aos 17.083 de terça-feira, apesar de o número de exames realizados ter sido ligeiramente superior, 358.884 hoje contra os 336.000 do dia anterior.


O número de mortes permanece estável, com 347 novos óbitos registados hoje, mais quatro do que na terça-feira.


No total, 2.976.274 pessoas foram infetadas no país desde o início da emergência sanitária há um ano, sendo que o número de vítimas mortais é de 98.635.


A pressão hospitalar aumentou ligeiramente, já que dos 437.421 atualmente positivos, 22.174 permanecem hospitalizados, mais 277 do que no dia anterior, dos quais 2.411 (mais 174) estão internados em Unidades de Cuidados Intensivos.


Por outro lado, a campanha de vacinação continua e o número de doses inoculadas até ao momento é de 4.650.299, enquanto um total de 1.471.648 pessoas estão imunizadas depois de receberem as duas doses do fármaco.


Após a publicação, na terça-feira, de um novo decreto ministerial que vai entrar em vigor no sábado, confirmaram-se, entre outras medidas, a proibição de deslocações entre regiões até 27 de março, e mantém-se a classificação por cores de acordo com o risco epidémico.


Assim, Basilicata e Molise, no sul do país, mantêm-se no nível vermelho, o mais alto, e a ilha da Sardenha no nível branco, o mais baixo com apenas limitações, enquanto as restantes regiões estão na categoria laranja, o nível intermédio com duras limitações, e categoria amarela, com menos restrições.


A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.549.910 mortos no mundo, resultantes de mais de 114,7 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.


A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.



AXYG // EL


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário