03 Julho 2022, 17:40

Covid-19: Cerca de 85% da população de África sem qualquer dose da vacina – OMS

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Genebra, 24 jan 2022 (Lusa) – O líder da Organização Mundial da Saúde (OMS) alertou hoje que cerca de 85% da população africana ainda não recebeu a primeira dose da vacina contra a covid-19, que todos devem levar para acabar com fase aguda da pandemia.


Tedros Adhanom Ghebreyesus recordou que 86 países não conseguiram atingir o objetivo de 40% de vacinação até 2021, e 34 deles, na sua maioria em África e no Médio Oriente, não atingiram sequer 10% da população.


“Não podemos terminar a fase aguda da pandemia se não colmatarmos esta lacuna”, salientou o chefe da OMS, no seu discurso de abertura da 150.ª sessão do Conselho Executivo da organização.


Embora admitindo que as vacinas “não são uma panaceia para acabar com a pandemia”, Tedros Ghebreyesus sublinhou que aquelas são importantes para reduzir a gravidade da crise pandémica, e que o objetivo de alcançar uma taxa de vacinação de pelo menos 70% em todos os países do mundo até final de 2022 deve ser mantido.


O diretor-geral da OMS abordou ainda outras questões no seu discurso principal, incluindo o financiamento da organização que dirige, e advertiu que este aspeto deve ser melhorado para que possa assegurar o seu papel coordenador nos sistemas de saúde mundiais.


“Se o atual modelo de financiamento continuar, estamos a caminhar para o fracasso”, afirmou o responsável, que salientou que “a mudança de paradigma que é necessária na saúde global deve ser acompanhada por uma mudança semelhante quando se trata de financiar a OMS”.


A covid-19 provocou pelo menos 5,58 milhões de mortes em todo o mundo desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.


A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China.


Uma nova variante, a Ómicron, classificada como preocupante e muito contagiosa pela Organização Mundial da Saúde (OMS), foi detetada na África Austral e, desde que as autoridades sanitárias sul-africanas deram o alerta em novembro, tornou-se dominante em vários países, incluindo em Portugal.



ATR // VM


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário