06 Fevereiro 2023, 06:52

Covid-19: Cientistas internacionais urgem Governo britânico a reverter desconfinamento

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Londres, 16 jul 2021 (Lusa) – Um grupo de cientistas internacionais urgiram o governo britânico a reverter a decisão de suspender a maioria das últimas restrições à pandemia de covid-19 em Inglaterra na segunda-feira, alertando para os riscos no Reino Unido e noutros países.


Num comunicado, este grupo de cientistas disse querer “soar o alarme sobre a perigosa resposta do governo britânico ao aumento exponencial das infeções”.


O primeiro-ministro, Boris Johnson, confirmou na passada segunda-feira que pretende suspender quase todas as últimas restrições de saúde ainda em vigor devido à pandemia até 19 de julho, incluindo a obrigatoriedade por lei do uso de máscara e distanciamento social.


Determinado em “restaurar as liberdades”, o líder do Partido Conservador argumentou que este é o “momento certo” para o fazer, apesar de a variante Delta do coronavírus, mais contagiosa, continuar a fazer subir o número de casos.


Nas últimas 24 horas eram registados quase 52 mil casos, acima dos 48.500 da véspera. 


O Reino Unido é um dos países europeus mais afetados, com mais de 128.000 mortes, mas também um dos mais avançados na vacinação, estando mais 66% dos adultos totalmente vacinados.


“Os ministros foram informados de que este plano provavelmente resultaria em um a dois milhões de casos nas próximas semanas e potencialmente em sete a 10 milhões até o final do ano, e um pico de mais de 100.000 casos por dia ao longo do verão”, deploram os cientistas, incluindo os especialistas em saúde pública Walter Ricciardi e Michael Baker, que respetivamente aconselham os governos da Itália e da Nova Zelândia.


Os cientistas alertam para os riscos de “covid longa” em pessoas infetadas e o desenvolvimento de uma nova variante resistente à vacina.


“A estratégia atual de infeção em massa corre o risco de prejudicar os esforços para controlar a pandemia não apenas no Reino Unido, mas também em outros países”, alertam, instando o governo a “reconsiderar urgentemente” seu plano.


A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 4.070.508 mortos em todo o mundo, entre mais de 188,8 milhões de casos de infeção pelo novo coronavírus, segundo o balanço mais recente da agência France-Presse.


A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em países como o Reino Unido, Índia, África do Sul, Brasil e Peru.



BM // EL


Lusa/fim 

Sem comentários

deixar um comentário