03 Dezembro 2021, 01:47

Covid-19: Com 50 milhões de vacinas administradas EUA à frente do programado – Biden

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Washington, 25 fev 2021 (Lusa) — Os Estados Unidos estão “várias semanas à frente” do previsto no que diz respeito à vacinação contra o SARS-CoV-2, garantiu hoje o Presidente, que prometeu 100 milhões de vacinas administradas nos primeiros 100 dias do mandato.


“Estou aqui hoje para dizer que estamos a meio do caminho, com 50 milhões de doses [das vacinas administradas] em apenas 37 dias, desde que me tornei Presidente”, disse o democrata Joe Biden, durante um discurso que foi transmitido na rede social Twitter a propósito do “marco histórico” das 50 milhões de vacinas administradas.


O Presidente dos Estados Unidos da América (EUA) acrescentou que o país está “várias semanas à frente do planeado, apesar dos contratempos” provocados pelas tempestades de inverno, que afetaram várias regiões.


“Estamos a caminhar na direção correta, apesar da bagunça que herdámos da administração anterior [liderada pelo republicano Donald Trump], que nos deixou sem um plano real para vacinar todos os norte-americanos”, considerou Biden.


O chefe de Estado norte-americano referiu também que cada vez que sejam administradas 50 milhões de vacinas no país vai “utilizar esse marco histórico para reportar à população” os avanços no campanha de vacinação e no combate à pandemia.


“A história desta campanha de vacinação é como a história de tudo o que de difícil e novo os Estados Unidos fazem”, prosseguiu, Joe Biden.


O Presidente dos EUA adereçou ainda o que considerou ser um problema futuro: a vacinação de pessoas céticas em relação à eficácia e aos benefícios das vacinas contra o SARS-CoV-2.


Por isso, as autoridades norte-americanas vão iniciar uma campanha de educação e sensibilização para aumentar a confiança dos norte-americanos nas vacinas.


Os Estados Unidos são o país mais afetado pela pandemia, com mais de 28 milhões de infeções confirmadas e mais de 504 mil óbitos associados à covid-19.



AFE //RBF


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário