03 Dezembro 2021, 13:52

Covid-19: Crianças sem “papel relevante” na infeção de famílias — epidemiologista

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Lisboa, 23 mar 2021 (Lusa) — As crianças não têm um “papel relevante” nos contágios pelo vírus SARS-CoV-2 nas famílias, defendeu hoje o epidemiologista do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto Henrique Barros, que realçou também o menor risco de infeção neste grupo.


“Ter crianças no agregado familiar não aumentou (o risco), pelo contrário, até é menor a probabilidade de infeções”, disse Henrique Barros na apresentação durante a reunião no Infarmed, que juntou especialistas, membros do Governo e o Presidente da República para a análise da evolução da pandemia, explicando que os dados recolhidos a partir do projeto EPIPorto assentaram na presença de anticorpos e não somente em testes PCR com resultado positivo.


“Globalmente, as crianças e os adolescentes têm um risco menor de infeção e, embora a evidencia (prova) não seja forte, parecem ter um papel menor na transmissão da infeção”, disse.


Henrique Barros traçou um retrato da evolução da pandemia com base no papel das escolas para concluir que as “medidas de mitigação do ambiente escolar funcionam e fazem com que a atividade letiva seja segura” em termos de transmissão do vírus.


“Na primeira onda, a infeção foi quase toda nas faixas etárias mais elevadas”, começou por afirmar o investigador, enfatizando: “Na segunda onda, vemos que com as escolas abertas a infeção sobe e desce, sobe com as escolas fechadas, continua a subir e até faz um pequeno ‘plateau’ (planalto) com as escolas abertas e depois desce. (…) O que vemos quando olhamos não só para as idades escolares é que as pessoas mais velhas é que infetam primeiro”.


À margem deste tema, o investigador do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto abordou também a letalidade da covid-19, situando-a em “cerca de 2%”. No entanto, os números são diferentes em função do sexo, já que “no sexo masculino o risco é significativamente maior do que no sexo feminino; da idade, “com valores acima de 20% na faixa etária de 90 ou mais anos e acima de 12% na faixa dos 80 aos 89 anos”; e até por regiões.


Sobre a vacinação, Henrique Barros considerou que “é um processo efetivo de prevenção” e que “tem um papel central no planeamento da resposta à infeção a curto prazo”. Como consequência, “a diminuição dos casos em contextos específicos — como nos profissionais de saúde — será também observável na população em geral”, reiterou o epidemiologista.


Com base no estudo realizado com o Centro Hospitalar Universitário de São João, no Porto, com cerca de 7.000 funcionários, dos quais quase 1.000 contraíram a doença e 4.700 foram vacinados a partir de 27 de dezembro, Henrique Barros realçou ainda que a efetividade vacinal foi de 91%, em linha com os ensaios realizados pelas farmacêuticas responsáveis pelo desenvolvimento das vacinas já aprovadas pela Agência Europeia do Medicamento (EMA).


Em Portugal, morreram 16.784 pessoas dos 817.778 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.



JYGO/SO // JMR


Lusa/Fim

Tags

Sem comentários

deixar um comentário