18 Janeiro 2022, 06:28

Covid-19: Cruzeiro atraca no Rio de Janeiro com 33 positivos após suspensão da temporada

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Brasília, 05 jan 2022 (Lusa) – O navio MCS Preziosa atracou hoje no Rio de Janeiro, quatro dias antes do previsto, com 33 casos de covid-19 a bordo, após a temporada de cruzeiros ser novamente suspensa no Brasil, algo criticado pelo Presidente brasileiro.


De acordo com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), órgão regulador brasileiro, cerca de 800 casos positivos de infeção pelo novo coronavírus, que causa a doença covid-19, foram confirmados nos últimos nove dias nos cinco navios que estavam em operação no país sul-americano.


Um deles é o Preziosa, que, com 25 tripulantes e oito passageiros infetados, num total de 2.500 passageiros, voltou hoje ao Rio de Janeiro antes da data estipulada, já que havia planeado mais duas escalas nos portos de Maceió (Alagoas) e Salvador (Bahia), dois estados do nordeste do país, antes do desembarque na “cidade maravilhosa”.


Devido aos altos índices de contágio, as empresas de cruzeiros no Brasil decidiram suspender elas mesmas as suas operações, a partir desta segunda-feira, até 21 de janeiro, após o Ministério da Saúde não ter tomado providências a respeito, apesar dos reiterados avisos da Anvisa.


A temporada de cruzeiros no Brasil – que começou em novembro de 2021 e vai até abril de 2022 – esperava mobilizar mais de 360.000 passageiros ao longo das costas do gigante país sul-americano e poderá agora acumular perdas de cerca de 45 milhões de reais (6,97 milhões de euros), de acordo com os especialistas.


Hoje, depois de ter deixado um hospital de São Paulo onde foi internado por obstrução intestinal, o Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, criticou a Anvisa pela suspensão da temporada de cruzeiros.


Apesar das quase 620 mil mortes que a pandemia deixou no país e das mais de 22,3 milhões de infeções, o Presidente brasileiro, que nega a gravidade do vírus, considera que a economia do país não pode ser travada por uma “gripezinha” – como já classificou a covid-19 por diversas vezes – e pediu ao regulador “bom senso” antes de fazer as suas recomendações.


“O mundo todo está de olho em nós. Não é porque somos bonzinhos não, é porque nós temos muito a oferecer. O Brasil é uma potência no agronegócio, é uma potência mineral, é uma potência no turismo. Lamento a decisão que tivemos agora, não pelo meu Governo, pela Anvisa, em relação aos cruzeiros. O Brasil é uma potência”, disse o chefe de Estado.


O Brasil é o segundo país do mundo com o maior número de mortes por covid-19, depois dos Estados Unidos, e o terceiro em número de infeções, atrás dos norte-americanos e da Índia.


A covid-19 provocou 5.456.207 mortes em todo o mundo desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.



MYMM // JH


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário