13 Maio 2022, 15:41

Covid-19: Governo admite repor gratuitidade dos testes se situação se agravar

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

O secretário de Estado da Saúde, António Lacerda Sales, admitiu hoje que os testes de despiste da Covid-19 realizados nas farmácias e nos laboratórios poderão voltar a ser gratuitos, se se registar um aumento dos indicadores epidemiológicos.

Em Braga, em declarações aos jornalistas à margem da sessão de encerramento do VI Congresso dos Enfermeiros, Lacerda Sales sublinhou que, neste momento, os indicadores epidemiológicos não justificam a gratuitidade dos testes.

“Se se vier a verificar que há um aumento dos indicadores epidemiológicos, com certeza que reverteremos essa medida [do fim da gratuitidade dos testes]. Neste momento, com os indicadores que temos, e com a estabilidade da situação do ponto de vista epidemiológico, não será necessária a gratuitidde dos testes”, afirmou.

Os testes de despiste da Covid-19 realizados nas farmácias e nos laboratórios deixaram de ser gratuitos a partir de 01 de maio, tendo em conta a “evolução positiva” da pandemia no País.

Segundo Lacerda Sales, houve “algum aumento” de casos após o fim da obrigatoriedade do uso de máscara, mas “a tendência mantém-se estável”.

O governante disse que não há “grande pressão” sobre os serviços de saúde, que a mortalidade tem diminuído e que os internamentos estão “mais ou menos estabilizados, “com ligeiro acréscimo nos últimos dias”, mas “em grande impacto e repercussão”.

No entanto, sublinhou que é necessário continuar a vigilância, porque “o vírus ainda não desapareceu”.

A mesma vigilância que aconselhou para os casos suspeitos de hepatite aguda infantil.

“Não é uma situação de alarme, mas é uma situação que a todos nos deve preocupar”, referiu.

Em Portugal foram registados seis casos suspeitos, que estão a ser monitorizados e acompanhados.

Já na sessão de encerramento do VI Congresso dos Enfermeiros, Lacerda Sales vincou a aposta do Governo no reforço do Serviço Nacional de Saúde e na valorização dos seus profissionais.

No caso concreto dos enfermeiros, disse que a prioridade será a reposição dos pontos perdidos na carreira e garantiu que o assunto estará resolvido até ao final do ano.

Tags

Sem comentários

deixar um comentário