28 Setembro 2021, 14:30

Covid-19: Há muitas palavras de ordem, mas depois ninguém faz nada

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Lisboa, 21 jun 2021 (Lusa) – O filantropo britânico-sudanês Mo Ibrahim defendeu hoje que “há muitas palavras de ordem” para ajudar África, mas “depois ninguém faz nada”, exemplificando com a falta de vacinas contra a covid-19 e de financiamento para a recuperação económica.


“Há muitas palavras de ordem, mas depois ninguém faz nada”, lamentou o fundador e presidente da Fundação Mo Ibrahim, reconhecendo que “é certo que os líderes primeiro têm de cuidar dos seus, mas os mais vulneráveis em África têm de ser ajudados porque entre a Europa e África, quando um espirra, o outro constipa-se”.


Mo Ibrahim falava durante a conferência sobre o papel dos parlamentos no aprofundamento da relação entre a União Europeia (UE) e África, organizada pela presidência portuguesa do Conselho da UE, que decorreu a partir de Lisboa em formato presencial e virtual.


Na intervenção, o filantropo disse que “África está a passar pela terceira vaga” e que espera que o continente “não passe pela experiência da Índia”, país que conheceu um crescimento exponencial dos casos de covid-19 nos últimos meses.


“É preciso fazer figas e cruzar os dedos para que a terceira vaga não nos arrase”, defendeu.


Para o empresário, é “inaceitável” que um continente com 1,2 mil milhões de pessoas não consiga fabricar as suas próprias vacinas e tenha de esperar pela ajuda de outros países.


“A longo prazo, a solução é África fabricar as suas próprias vacinas, não podemos ficar à espera da amabilidade de estranhos, isso simplesmente não resulta, já que 98% das vacinas e medicamentos usados em África são importados, e não é possível importar 98% destes bens estratégicos”, argumentou.


Além dos efeitos sanitários, Mo Ibrahim chamou também a atenção para os efeitos económicos que a pandemia teve no continente, desde logo impondo uma recessão em 2020, a primeira nas últimas décadas.


“A União Europeia tem margem para dar 750 mil milhões de euros para apoiar a recuperação no continente, e isso são excelentes notícias, mas em África muitos países não têm sequer a oportunidade de aceder aos mercados financeiros”, vincou o empresário, defendendo que é preciso que a parte dos Direitos Especiais de Saque (DES) do Fundo Monetário Internacional (FMI) reservada a África seja aumentada.


“Estive na reunião de Paris sobre o financiamento das economias africanas, em maio, e fiz umas contas nas costas de um envelope”, gracejou Mo Ibrahim, concluindo que é preciso muito mais verbas do que aquelas que são reservadas aos países africanos.


O empresário questionou “quanto dos 650 mil milhões de dólares [cerca de 550 mil milhões de euros] são reservados para África” e responderam-lhe “que era apenas 6%, cerca de 30 mil milhões de dólares [25,1 mil milhões de euros]”.


“Depois perguntei dos restantes 620 mil milhões de dólares [520 mil milhões de euros], quantos milhões iam para a Europa, e responderam-me que era 220 mil milhões de dólares [184 mil milhões de euros]”, explicou.


“Portanto, isto dá 2.200 dólares [1.840 euros] para cada homem e mulher na Europa, enquanto em África o valor das ajudas é de 226 dólares [189 euros] por cabeça, ou seja, quem recebe 226 dólares são os mesmos que não conseguem ter acesso a empréstimos, e por isso a questão é por que razão os países mais ricos não emprestam os DES?”, questionou Ibrahim.


“Não lhes custa nada, não sai do bolso de ninguém, é só para permitir que os países africanos tenham acesso a empréstimos baratos e se financiarem, eles precisam do vosso apoio, não vos custa nada”, salientou o empresário perante a audiência composta por parlamentares dos vários países da UE e da União Africana.


Para o futuro, “é preciso criar 200 milhões de empregos todos os anos para os jovens que chegam ao mercado de trabalho, e para isso é preciso trabalhar em parceria”, advogou.


“Porque se não resolvermos este problema, que é uma bomba relógio, os miúdos ficam sem emprego e esperança, e acabam em gangues criminosos ou no terrorismo ou em barcos no Mediterrâneo, e não queremos isso”, frisou.


É preciso, concluiu, “um modelo de crescimento diferente, viver de esperar ajuda não resulta”.


“Não podemos ficar dependentes de exportar matérias-primas, porque isso não cria emprego, o novo modelo tem de ser mais resiliente, diversificado, apostando na economia digital, que é o futuro”, rematou.


África registou no domingo mais 139 mortes associadas à covid-19 em 24 horas, de acordo com os dados oficiais divulgados pelo Centro de Controlo e Prevenção de Doenças da União Africana (África CDC).


A pandemia da covid-19 provocou, pelo menos, 3.868.393 mortos no mundo, resultantes de mais de 178,4 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência noticiosa francesa AFP.


A doença é transmitida pelo novo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China. 



MBA // LFS


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário