26 Novembro 2021, 23:22

Covid:-19: Hospital Garcia de Orta converte mais camas e tem já 181 doentes internados

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Almada, Setúbal, 20 jan 2021 (Lusa) — O Hospital Garcia de Orta (HGO), em Almada, anunciou hoje a conversão de mais 20 camas para tratamento de doentes `covid´, mas adianta que “já estão todas ocupadas”.


“Para responder à elevada pressão assistencial e à procura significativa de doentes `covid´ e doentes `não covid´, o hospital converteu mais 20 camas do Serviço de Medicina 2, para tratar doentes `covid´”, é referido num comunicado daquele hospital do distrito de Setúbal.


O HGO revela também que hoje estão internados 181 doentes com infeção por SARS-CoV-2, 160 em enfermaria, 18 em Unidade de Cuidados Intensivos (UCI) e três internados em Unidade de Hospitalização Domiciliária (UHD).


Todas as camas para ‘doentes covid’ estão ocupadas, salienta ainda o HGO.


Além disso, acrescenta o HGO, apesar de continuar a aumentar o número de camas para `doentes covid´, na terça-feira houve necessidade de transferir mais dois doentes para outros hospitais.


Face ao agravamento da pandemia, o HGO recorda à população dos concelhos de Almada e do Seixal que, em caso de doença, “deve recorrer em primeiro lugar ao médico de família/Centros de Saúde”.


“Em caso de sinais e sintomas compatíveis com doença respiratória, a população dever dirigir-se primeiro às áreas dedicadas para doentes respiratórios — ADR – dos Centros de Saúde – reservando as situações mais complexas, graves, agudas e urgentes para serem assistidas no hospital”, lê-se no comunicado do HGO.


A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.058.226 mortos resultantes de mais de 96,1 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.


Em Portugal, morreram 9.246 pessoas dos 566.958 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.


A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.



GR // VAM



Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário