19 Outubro 2021, 20:15

Covid-19: Hospital São João admite ser “expectável” um “aumento elevado” de casos

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Porto, 08 jan 2021 (Lusa) — O presidente do conselho de administração do Centro Hospitalar e Universitário de São João (CHUSJ) admitiu hoje como “expectável” que o número de casos covid-19 registe um “aumento elevado nos próximos dias ou semanas” na região Norte.


Garantindo que o CHUSJ está “um passo à frente” na preparação para “um eventual crescimento” do número de casos “nos próximos dias ou semanas”, Fernando Araújo disse que o “momento é tranquilo”, mas está em marcha a preparação “para qualquer cenário mais exigente”.


“Olhando para o que está a acontecer nas regiões Sul e Centro, é expectável que na região Norte possamos ter um aumento elevado de casos. Estamos a preparar-nos para os cenários mais exigentes, esperando que tal não aconteça. Mas se acontecer estamos sempre um passo à frente da epidemia para que não exista nenhum constrangimento”, disse Fernando Araújo.


O presidente do conselho de administração do CHUSJ, que falava aos jornalistas à margem de uma visita às obras a nova Ala Pediátrica do Hospital de São João, no Porto, quando questionado sobre o facto do Governo ter avançado que pondera um novo confinamento geral, recordou que “qualquer decisão que se tome terá de aguardar por uma ou duas semanas para se traduzir em efeitos”.


À data de hoje o Hospital de São João tem 105 doentes infetados com o novo coronavírus internados, dos quais 34 em cuidados intensivos.


“Estamos a fazer uma gestão adequada e equilibrada e estamos, acima de tudo, a preparar-nos para um eventual crescimento nos próximos dias ou semanas. O plano de contingência obriga-nos a ter a cautela redobrada e a manter uma estrutura preparada e empenhada para o aumento expectável de doentes”, disse Fernando Araújo.


O Hospital de São João tem atualmente ativado o nível dois de contingência, de um total de quatro níveis definidos, e isto depois de ter chegado a ativar o nível três a meio de outubro do ano passado.


“Chegámos a estar no nível tês em outubro e novembro e estamos preparados para regressar, a qualquer momento, [ao nível três]. Se for necessário, parará alguma atividade programada, já o fizemos no passado. Neste momento estamos a tentar aproveitar para recuperar lista de espera e dar resposta a doentes não covid-19, que são doentes que nos preocupam. O atraso na resposta pode ser impactante”, disse Fernando Araújo.


A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1.899.936 mortos resultantes de mais de 88 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.


Em Portugal, morreram 7.472 pessoas dos 456.533 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.


O estado de emergência decretado em 09 de novembro para combater a pandemia foi renovado com efeitos desde as 00:00 de 08 de janeiro, até dia 15.


A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.



PFT // JAP


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário