04 Julho 2022, 01:19

Covid-19: Iniciativa Liberal rejeita regresso de restrições que afetem economia

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Lisboa, 22 nov 2021 (Lusa) — O presidente da Iniciativa Liberal rejeitou hoje quaisquer restrições que voltem afetar a economia porque a solução para combater a pandemia de covid-19 passa por acelerar a vacinação e a testagem gratuita, bem como medidas individuais de proteção.


Em entrevista à agência Lusa — que será divulgada na íntegra na quarta-feira — João Cotrim Figueiredo foi questionado sobre que medidas para combater a evolução da covid-19 irá defender junto do primeiro-ministro, António Costa, que entre terça e quarta-feira vai receber os partidos com assento parlamentar sobre a situação epidemiológica em Portugal.


“Não aceitaremos nada que volte a restringir horários de funcionamento, lotações, gestão de eventos”, avisou.


O deputado único liberal defendeu também “com grande vigor a aceleração do processo de vacinação, a aceleração e a disponibilização gratuita e maciça de testes e um apelo geral às pessoas que considerem o seu próprio bem-estar quando estão em situações sociais”.


“Utilização de máscaras em sítios fechados e outro tipo de circunstâncias que agora, devido à época natalícia, se proporcionarão mais”, exemplificou.


João Cotrim Figueiredo deixou assim claro que o partido está “100% de acordo” com “tudo o que sejam medidas individuais de proteção que as próprias pessoas possam fazer”.


“Restrições que possam, mais uma vez, afetar a economia e sobretudo aqueles setores que são sempre os mesmos, que são os sofrem, os setores dos eventos, da restauração, da hotelaria, isso não”, sintetizou.


O primeiro-ministro recebe na terça e quarta-feira os partidos com representação parlamentar sobre a situação epidemiológica em Portugal, num momento em que o país regista um crescimento das taxas de incidência e de transmissão (Rt) da covid-19, antes de o Governo aprovar medidas contra a covid-19, o que poderá acontecer no Conselho de Ministros de quinta-feira.


No final da reunião do Infarmed de sexta-feira, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, afirmou que continua a haver “conjugação total dos órgãos de poder político” na resposta à covid-19, mas escusou-se a falar de medidas, remetendo essa decisão para o Governo, após consulta aos partidos.


Quanto às medidas a adotar, o chefe de Estado disse que “os especialistas apresentaram o que consideravam indispensável para esta fase” e que “a decisão sobre essa matéria pertencerá naturalmente ao Governo”, que “vai ouvir os partidos políticos e vai decidir”.


Já hoje, Marcelo Rebelo de Sousa afastou a ideia de um novo confinamento para responder ao aumento de casos de covid-19, afirmando que a “situação não aponta para isso” e “não tem comparação” com a de “há um ano”.




JF/JPS (TA/PMF) // JPS


Lusa/fim

Sem comentários

deixar um comentário