03 Fevereiro 2023, 15:34

Covid-19: Itália regista 417 mortes nas últimas 24 horas e aumento de hospitalizações

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Roma, 29 mar 2021 (Lusa) — A Itália contabilizou 417 mortes devido à doença covid-19 nas últimas 24 horas e um aumento da pressão hospitalar, enquanto 12.916 novas infeções foram registadas, segundo dados do Ministério da Saúde.


Os novos casos baixaram em comparação com os últimos dias, devido à menor realização de testes nas últimas 24 horas, com 156.692 testes — incluindo os de antígenos — em comparação com os 357.154 de domingo.


Porém, as mortes subiram, já que passaram de 297 no dia anterior para 417 hoje.


O número de óbitos em Itália desde o início da emergência sanitária, em fevereiro do ano passado, subiu para 108.350, num total de 3.544.957 infeções.


Dos 565.993 atualmente contagiados, 32.884 estão hospitalizados, mais 504 do que na véspera, e 3.721 estão internados em Unidades de Cuidados Intensivos, mais 42 do que no domingo.


Ao mesmo tempo, a campanha de vacinação avança com 9.499.293 doses inoculadas, e 2.996.933 pessoas foram imunizadas com as duas doses necessárias do fármaco.


Quanto as restrições para evitar a propagação do vírus, a partir de hoje 10 regiões italianas estão na zona “vermelha”, aquela com maiores restrições, e assim vão continuar para os três dias festivos da Semana Santa, quando todo o país estará em confinamento.


Com os novos parâmetros epidemiológicos, vão passar para essa zona as regiões de Calábria, Toscana e Vale de Aosta, juntando-se assim a Friul-Veneza Júlia, Piemonte, Véneto, Lombardia, Emília-Romanha, Marcas, Apúlia e a província autónoma de Trento.


Por seu lado, Lácio, cuja capital é Roma, vai entrar na terça-feira na “zona laranja”, onde se situam as restantes regiões, com medidas menos severas que permitem a abertura de algumas atividades comerciais e o regresso às aulas.


A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.784.276 mortos no mundo, resultantes de mais de 127 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.


A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.



AXYG // EL


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário