12 Agosto 2022, 12:39

Covid-19: Itália registou 761 mortes nas últimas 24 horas

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Roma, 11 dez 2020 (Lusa) — A Itália registou 761 mortes com covid-19 nas últimas 24 horas, número inferior aos 887 de quinta-feira, elevando para 63.387 o total de óbitos desde o início da pandemia de covid-19, segundo o Ministério da Saúde.


No último dia, foram registadas 18.727 novas infeções com o novo coronavírus, em linha com os últimos dias, quando já foram realizados quase 190.000 testes, colocando o índice de casos positivos em relação aos testes em 9,8%.


Apesar do elevado número de óbitos, o número de pacientes internados continua a diminuir, sendo de 28.562 (526 a menos que na quinta-feira), mas 3.265 ainda estão em cuidados intensivos, reduzindo 26 em relação ao dia anterior.


O governo italiano está a sofrer fortes pressões, tanto de autarcas de algumas localidades como da oposição e até de alguns setores da maioria parlamentar que apoia a coligação, para flexibilizar algumas medidas de contenção durante as festas de Natal, nomeadamente para permitir viagens entre municípios.


O ministro da Saúde, Roberto Speranza, é a favor da manutenção das regras, mesmo durante esse período, considerando mesmo que as medidas deveriam ser intensificadas durante os dias de festas de Natal e de Ano Novo.


Em Bruxelas, onde participa na cimeira europeia, o primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, disse que, mesmo se algumas exceções forem introduzidas, “será necessária muita cautela”.


De acordo com os meios de comunicação italianos, estão a ser analisadas duas hipóteses: permitir uma exceção para quem vive em municípios com menos de 5.000 habitantes – considerados mais penalizados que as grandes cidades – ou flexibilizar a medida de forma generalizada a nível provincial.


A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1.580.721 mortos resultantes de mais de 69,5 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.


A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.



RJP // EL


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário