21 Outubro 2021, 02:51

Covid-19: Lisboa e Vale do Tejo tem 323 surtos ativos dos quais 121 nos lares de idosos – ARSLVT

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

A região de Lisboa e Vale do Tejo contabiliza hoje 323 surtos ativos de covid-19, dos quais 121 estão identificados em estruturas residenciais para idosos, com um total de 3.133 casos confirmados, revela a Administração Regional de Saúde.

Do total de surtos ativos nesta região, “oito estão em fase de resolução”, adianta a Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT), em resposta à agência Lusa.

Quanto aos 121 surtos ativos em Estruturas Residenciais para Idosos (ERPI), segundo dados de hoje, “com um total de 3.133 casos confirmados”, a Administração Regional de Saúde refere que, no âmbito da incidência de infeções na região de Lisboa e Vale do Tejo, a situação nos lares de idosos “representa preocupação considerando a idade e as comorbilidades geralmente associadas aos residentes em ERPI”.

“Contudo, os casos estão ser acompanhados pelas autoridades de saúde, em articulação com as direções dos lares e com as unidades de saúde”, assegura a ARSLVT.

Na terça-feira, a diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, revelou que Portugal continental tinha 417 surtos ativos de contágio pelo novo coronavírus, dos quais 284 na região de Lisboa e Vale do Tejo, 55 na região Norte, 29 no Alentejo, 25 na região Centro e 24 no Algarve, “sobretudo identificados em estruturas residenciais para idosos, menos em escolas e alguns em instituições de saúde”.

Hoje, Portugal regista 118 mortos relacionados com a covid-19 e 10.176 novos casos de infeção com o novo coronavírus, os valores diários mais elevados desde o início da pandemia, segundo a Direção-Geral da Saúde.

Relativamente ao internamento de doentes com covid-19 nos hospitais da ARSLVT, estão hoje internados 1.409 pessoas, em que 1.214 estão em enfermaria e 195 em unidades de cuidados intensivos (UCI).

“Os números relacionados com os internamentos são voláteis [considerando o conjunto de variáveis envolvidas], pelo que as respostas dos hospitais vão sendo adaptadas em função desse dinamismo”, adianta a ARSLVT, confirmando que tem existido uma maior procura dos serviços de urgência hospitalares.

Porém, segundo a ARSLVT, “os hospitais estão permanentemente a rever os seus planos de contingência e, por isso, está a ser preparado o aumento da capacidade de camas críticas”.

A acompanhar a situação da capacidade de resposta dos hospitais, a ARSLVT diz que tem promovido o funcionamento em rede dos hospitais do Serviço Nacional de Saúde (SNS), “que pode ser intrarregional [entre unidades da região] e/ou inter-regional [ou seja, unidades de Lisboa e Vale do Tejo recebem utentes de outras regiões e vice-versa]”.

“Todos os invernos há aumento de procura dos serviços de urgência [SU] devido a uma maior incidência de doenças respiratórias, a par de outras situações clínicas. Este ano acresce a covid-19, sendo que, face a sintomatologia respiratória, os utentes devem primeiramente contactar a Linha SNS 24 (808 24 24 24)”, aconselha a Administração Regional de Saúde.

Na região de Lisboa e Vale do Tejo está “prevista para breve a abertura de mais 30 camas no Centro de Apoio Militar/CAM de Belém”, que totalizará as 90 contempladas na parceria com as Forças Armadas, informa ainda a ARSLVT, destacando também o reforço em breve do apoio dado pelo Centro de Acolhimento da Marinha na Base Naval do Alfeite, onde irá funcionar uma Estrutura de Apoio de Retaguarda (EAR).

Sem comentários

deixar um comentário