03 Dezembro 2021, 14:17

Covid-19: Londres adquire 60 milhões de vacinas da Pfizer para reforço de “vulneráveis”

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Londres, 28 abr 2021 (Lusa) — O governo britânico anunciou hoje a aquisição de 60 milhões de novas doses da vacina contra a covid-19 da Pfizer-BioNTech, com o objetivo de estabelecer um programa no outono de reconvocação para pessoas mais vulneráveis.


“A vacina ajuda-nos a recuperar a nossa liberdade e devemos proteger esse progresso”, afirmou o ministro da Saúde, Matt Hancock, no parlamento.


Diante do “risco de novas variantes”, o governo tem trabalhado “há mais de um ano” num “plano de reconvocação” para proteger a população.


As 60 milhões de doses encomendadas à Pfizer-BioNTech, além das 40 milhões adquiridas do mesmo laboratório, “serão utilizadas, juntamente com outras, como parte do programa de reconvocação” para que se possa proteger “o progresso já alcançado”, detalhou.


O Reino Unido, país europeu com mais óbitos resultantes da pandemia com mais de 127.000 mortes e envolvido numa campanha de vacinação em massa desde o início de dezembro, usa atualmente as vacinas AstraZeneca, Pfizer-BioNTech e Moderna.


De acordo com os dados oficiais divulgados hoje, quase 34 milhões de primeiras doses foram administradas e um quarto da população adulta, ou seja 13,5 milhões de pessoas, receberam a segunda dose.


O programa de reconvocação vai ser usado para “proteger os mais vulneráveis antes do inverno” e “garantir que as pessoas tenham a melhor proteção possível contra a covid-19”, de acordo com um comunicado.


Esta notícia chega num momento em que um estudo da Agência de Saúde Pública Inglesa, publicado hoje, mostrou que uma dose única da vacina da Pfizer-BioNTech ou AstraZeneca pode, após três semanas, reduzir a transmissão de covid-19 quase pela metade dentro do mesmo domicílio, onde o risco de contágio é elevado.


Matt Hancock, de 42 anos, anunciou que vai receber a sua injeção da vacina na quinta-feira de manhã e disse estar feliz em ver “uma saída clara para esta crise”, mas pediu aos britânicos que não se excedam no otimismo e “sejam cautelosos”, à medida que o país vai relaxando gradualmente as medidas de confinamento postas em prática desde janeiro.


A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 3.137.725 mortos no mundo, resultantes de mais de 148,6 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.


A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.



AXYG // EL


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário