20 Outubro 2021, 07:49

Covid-19: Lucros dos seguros em Cabo Verde caíram para 5MEuro em 2020

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Praia, 16 set 2021 (Lusa) – O mercado segurador em Cabo Verde registou lucros de quase 551 milhões de escudos (cinco milhões de euros) em 2020, menos de 2,7% face a 2019, devido à pandemia, indica um relatório do banco central cabo-verdiano.


“A contração da rendibilidade do setor refletiu principalmente a diminuição da produção provocada pela pandemia da covid-19. No conjunto dos ramos ‘Não Vida’, com a exceção do Seguro Caução, a generalidade dos seguros registou uma diminuição dos prémios brutos”, lê-se num relatório de estabilidade financeira de 2020, libertado este mês pelo Banco de Cabo Verde (BCV)


O setor, dominado por duas seguradoras nacionais, tinha registado um lucro histórico de 565 milhões de escudos (5,1 milhões de euros) em 2019, um aumento de quase 14% face ao ano anterior (2018).


O mesmo relatório do banco central refere que no final de 2020, o total da carteira de ativo das empresas de seguros cresceu 9,2% face a 2019, atingindo os 6.000 milhões de escudos (54,2 milhões de euros).


Acrescenta que o património próprio do conjunto das empresas de seguros em Cabo Verde atingiu no final do ano passado 3.700 milhões de escudos (33,5 milhões de euros) e o montante mínimo da margem de solvência a constituir (para a cobertura de desvios) fixou-se em 816,1 milhões de escudos (7,3 milhões de euros).


“O rácio de solvência excedeu em quatro vezes o valor mínimo exigido, atestando o reforço do nível de solvência das empresas de seguros”, reconhece ainda o documento do BCV. Esse rácio chegou no final de 2020 a 450,6%, quando em dezembro de 2019 era de 364,9%.


O relatório alerta ainda que os riscos do setor segurador relacionados com a evolução macroeconómica “permaneceram elevados, em decorrência da crise pandémica, manifestando-se na redução da rendibilidade, decorrente da queda da produção e do volume de prémios arrecadados, não obstante a liquidez e a solvência do setor se manterem em patamares confortáveis”.



PVJ // JH


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário