25 Maio 2022, 15:10

Covid-19: Macau com mais 31% de visitantes em 2021, mas pandemia ameaça Ano Novo Lunar

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Macau, China, 20 jan 2022 (Lusa) — O número de visitantes em Macau aumentou quase 31% no ano passado, mas a indústria hoteleira admitiu hoje que a pandemia da covid-19 pode ameaçar a realização das festividades do Ano Novo Lunar.


A região administrativa especial chinesa recebeu 7,7 milhões de visitantes no ano passado, mais 30,7% do que em 2020, indicou a Direção dos Serviços de Estatística e Censos (DSEC), em comunicado.


A maioria dos visitantes de Macau veio da China, que beneficia de exceções face às restrições fronteiriças determinadas no âmbito do combate à pandemia do novo coronavírus.


Para o professor da Universidade de Macau Glenn McCartney houve “uma recuperação progressiva” nos últimos três meses, período em que a cidade não registou qualquer caso de infeção local de covid-19, o que “reflete também o sucesso do corredor de viagem implementado entre a China continental e Macau, em setembro de 2020”.


Os dados são também, disse à Lusa Glenn McCartney, “um bom indicador para o Ano Novo Lunar”, a principal festa das famílias chinesas, equivalente ao Natal nos países ocidentais. Este ano, dedicado ao Tigre, assinala-se a partir de 01 de fevereiro.


O Ano Novo Lunar é também um dos pontos altos para o turismo de Macau. “A indústria perdeu várias destas chamadas ‘semanas douradas’ nos últimos anos, por isso pode ser muito importante”, acrescentou o académico.


Tanto em 2020 como em 2021, Macau cancelou o espetáculo de fogo de artifício do Ano Novo Lunar, bem como a tradicional parada para assinalar a efeméride. Mas a Direção dos Serviços de Turismo já garantiu que as celebrações vão em frente este ano.


Apesar das autoridades de toda a China continental terem pedido à população para não viajar durante as férias, a professora da Universidade de Macau Miao Li disse à Lusa estar “bastante otimista”. “Há muita gente desejosa de poder viajar e com algum dinheiro posto de lado para este período”, afirmou.


Miao Li, que tem estudado as mudanças no setor do turismo, lembrou que a pandemia tem levado a que os visitantes fiquem mais tempo na região e gastem mais dinheiro.


Além disso, de acordo com entrevistas, os visitantes da China continental “sentem-se bastante seguros em viajar para Macau”, acrescentou.


No entanto, o vice-presidente da Associação de Hotéis de Macau, Rutger Veschuren, antecipou “um Ano Novo Lunar como nunca visto”, com reservas inferiores a 10%, “inacreditavelmente baixas”.


Algo que levou a “uma guerra de preços” entre os operadores hoteleiros, indicou. O preço dos quartos em Macau está “provavelmente a metade ou mesmo um terço” do esperado, lamentou Rutger Veschuren.


Ainda assim, Veschuren disse prever que a taxa de ocupação ultrapasse os 70%, mas só se a cidade continuar livre da covid-19. “Estamos a rezar para que a [variante] Ómicron não chegue cá”, sublinhou.


Zhuhai, a cidade chinesa adjacente a Macau, está em alerta após ter sido a segunda cidade da China continental a detetar a variante altamente contagiosa Ómicron, com 14 casos identificados em quatro dias.


Os hoteleiros de Macau já só guardam “grandes esperanças” para a segunda metade de março, depois dos Jogos Olímpicos de Inverno Pequim2022 e das sessões do Congresso Nacional Popular e da Conferência Consultiva Política do Povo Chinês, considerou Rutger Veschuren.


Desde o início da pandemia, Macau registou 79 casos da doença.


A covid-19 provocou 5.553.124 mortes em todo o mundo desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.


A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China.


Uma nova variante, a Ómicron, classificada como preocupante e muito contagiosa pela Organização Mundial da Saúde (OMS), foi detetada na África Austral e, desde que as autoridades sanitárias sul-africanas deram o alerta em novembro, tornou-se dominante em vários países, incluindo em Portugal.



VQ // VM


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário