31 Dezembro 2022, 05:16

Covid-19: Maioria dos portugueses gostava de manter teletrabalho, segundo um estudo

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Redação, 21 dez 2020 (Lusa) — Mais de 60% dos inquiridos gostaria de manter o teletrabalho, num futuro próximo, pelo menos em parte, com 51% a preferir um modelo misto, segundo um estudo do grupo Ageas e da Eurogroup Consulting Portugal.


“Cerca de 62% dos inquiridos admite que gostaria de trabalhar a partir de casa, optando a maioria (cerca de 51%) por um modelo misto: 29% entre 50 a 99% do tempo em teletrabalho, e 22% com menos de 50% em teletrabalho”, lê-se num comunicado, divulgado hoje pelas duas organizações. 


De acordo com a mesma nota, “os restantes inquiridos (38%) referem que não gostariam de trabalhar a partir de casa no futuro, notando-se uma ligeira resistência nas idades mais avançadas”.


O estudo, realizado entre 9 e 23 de setembro de 2020, junto de uma amostra de 1.744 pessoas, com idade superior a 18 anos, residente em Portugal, descobriu ainda que “77% dos portugueses revelam-se satisfeitos com a forma como a sua empresa se ajustou ao teletrabalho.


Menos de 10% admitem que a empresa poderia ter feito melhor, sendo os mais novos os que expressaram mais esta opinião”, de acordo com o mesmo comunicado.


Por outro lado, “quando questionados sobre o apoio recebido por parte da chefia direta durante este período, 42% dos inquiridos avalia positivamente os seus líderes (21,4% bom e 21% muito bom)”, sendo que “apenas 10% dos inquiridos consideraram insuficiente este apoio”.


Questionados sobre a experiência do teletrabalho, “a apreciação dos inquiridos é relativamente boa, com uma média geral de 2,9 (entre 1 e 4)”, concluiu o estudo, sendo que “o fator idade, neste campo, demonstra algumas variações, com os mais jovens a ter uma opinião mais positiva (entre 18 a 24 anos: 3,60; 25-34: 3,08) do que os mais velhos (+55: 2,76)”.


O mesmo trabalho concluiu ainda que “os trabalhadores por conta própria são menos adeptos do teletrabalho, refletindo a necessidade de interação e socialização”.


Já os gestores de equipa “dizem-se confortáveis no seu papel de líderes nestes tempos (média de 2,99 entre 1 e 4)”, lê-se na mesma nota.


“Apesar dos meios tecnológicos disponíveis, a ausência de contacto físico/presencial foi apontada como a principal dificuldade observada, tendo sido particularmente verdade para inquiridos mais seniores”, referem as entidades.


“A gestão da vida familiar foi a segunda maior dificuldade observada, criando mais obstáculos do que a tecnologia, com a qual a média dos inquiridos se sente confortável, confirmando a subida do nível de “literacia digital” da população. Os mais novos apontam também a queda de produtividade”, segundo o comunicado.


O questionário foi desenvolvido em formato online e conta com um intervalo de confiança de 95% e margem de erro de 2,35%, indicaram as entidades.


 


ALYN // JNM


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário