09 Agosto 2022, 14:44

Covid-19: Mais de 300 mil crianças entre os cinco e os 11 anos iniciaram a vacinação

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Lisboa, 10 jan 2022 (Lusa) – Mais de 300 mil crianças dos cinco aos 11 anos iniciaram a vacinação contra a covid-19, correspondendo a cerca de metade do universo elegível, divulgou hoje a Direção-Geral da Saúde (DGS).


De acordo com o relatório diário da DGS sobre a vacinação da covid-19 feita em Portugal continental, 300.481 crianças entre os cinco e os 11 anos estavam vacinadas com uma dose até domingo, dia em que terminou o segundo período de vacinação para os menores destas faixas etárias e que decorreu durante quatro dias.


Segundo a contabilidade hoje divulgada, 45.151 crianças dos cinco aos 11 anos iniciaram no domingo a vacinação contra a covid-19.


A vacinação das crianças nestas idades aconteceu em dois períodos, no fim de semana de 18 e 19 de dezembro e entre 06 e 09 de janeiro.


Perante os dados hoje divulgados, e face ao número de crianças dos cinco aos 11 anos para as quais é recomendada a vacinação contra a covid-19, que a DGS quantifica em cerca de 626 mil, continuam por imunizar com uma primeira dose 48% dos menores desta faixa etária.


À data, segundo a DGS, cerca de 45 mil crianças deixaram de estar elegíveis para a vacinação, pois “contraíram a doença” nos últimos três meses.


A DGS esclarece, numa nota de imprensa, que as crianças que ainda não foram imunizadas “vão ter oportunidade de agendar a vacinação para os próximos períodos dedicados à vacinação pediátrica, a partir de 05 de fevereiro”.


De 05 de fevereiro a 13 de março serão administradas igualmente as segundas doses pediátricas, que completam o esquema vacinal.


A DGS recomenda a vacinação contra a covid-19 das crianças entre os cinco e os 11 anos, assinalando que “o número de novos casos” em menores destas idades “tem vindo a aumentar”, numa altura em que circula a variante dominante Ómicron, mais transmissível, do coronavírus que causa a covid-19.


A covid-19 é uma doença respiratória causada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado há dois anos na China.



ER // JMR


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário