11 Agosto 2022, 05:54

Covid-19: Marcelo espera que seja possível apurar situação dos trabalhadores em Odemira

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Funchal, Madeira, 02 mai 2021 (Lusa) – O Presidente da República afirmou hoje esperar que seja possível apurar se os direitos dos trabalhadores rurais em Odemira são respeitados e agir se necessário e que seja quebrada a cadeia de transmissão do vírus.


“São coisas diferentes. Uma é saber: há problemas em termos de direitos das pessoas e de trabalhadores, naquele caso? Um problema. Outro problema, sanitário: impõe-se ou não proceder a um isolamento de um número apreciável de trabalhadores, com cadeias de transmissão contínuas, ininterruptas, e que importava quebrar, para o bem da comunidade?”, sustentou o chefe de Estado.


Marcelo Rebelo de Sousa falava aos jornalistas à chegada à Madeira, sábado à noite, onde se deslocou para apresentar cumprimentos aos órgãos de governo próprio da Região Autónoma da Madeira, na sequência da sua reeleição como Presidente da República, e preparar as comemorações do Dia de Portugal, que este ano decorrem no arquipélago.


“Espero que seja possível apurar a primeira e agir se for caso disso”, afirmou, referindo-se ao caso dos trabalhadores rurais em Odemira.


Marcelo Rebelo Sousa salientou, por outro lado, que é necessário quebrar a cadeia de transmissão que está a “penalizar o município”.


O Governo decidiu decretar uma cerca sanitária às freguesias de São Teotónio e de Almograve, no concelho de Odemira, devido à elevada incidência de casos de covid-19, sobretudo em trabalhadores do setor agrícola, anunciou na quinta-feira o primeiro-ministro.


António Costa sublinhou que “alguma população vive em situações de insalubridade habitacional inadmissível, com hipersobrelotação das habitações”, relatando situações de “risco enorme para a saúde pública, para além de uma violação gritante dos direitos humanos”.


Na chegada à Madeira, o Presidente da República considerou que “havia que agir”, vincando que o executivo “exerceu os poderes”, de acordo com a situação de calamidade, que entrou em vigor às 00:00 do dia 01 de maio.



DC (SF) // SF


Lusa//Fim

Sem comentários

deixar um comentário