09 Dezembro 2021, 05:16

Covid-19: Pandemia já matou mais de 4,89 milhões de pessoas em todo o mundo

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Paris, 18 out 2021 (Lusa) — A pandemia provocada pelo novo coronavírus já fez pelo menos 4.895.733 mortos em todo o mundo desde que foi notificado o primeiro caso na China, segundo o balanço diário da agência France-Press.


Mais de 240.607.730 pessoas foram infetadas pelo novo coronavírus em todo o mundo, segundo o balanço, feito às 10:00 TMG (11:00 em Lisboa) de hoje com base em fontes oficiais.


No domingo, registaram-se 4.011 mortes e 296.522 novas infeções, segundo os números coligidos e divulgados pela agência.


Os países que registaram mais mortes nesse dia foram a Rússia (998), Roménia (299) e Irão (199).


Os Estados Unidos continuam a ser o país mais afetado, tanto em número de mortes como de infeções, com um total de 724.317 mortes e 44.933.409 casos, segundo os dados da universidade Johns Hopkins.


Depois dos Estados Unidos, os países mais afetados são o Brasil com 603.282 mortes e 21.644.464 casos, a Índia com 452.290 mortes (34.081.315 casos), o México com 284.381 mortes (3.757.056 casos) e a Rússia com 224.310 mortos (8.027.012 casos).


Entre os países mais atingidos, o Peru é o que apresenta o maior número de mortes em relação à sua população, com 606 mortes por 100.000 habitantes, seguido pela Bósnia (339), Macedónia do Norte (333), Montenegro (322), Bulgária (320) e Hungria (314).


Em termos de regiões do mundo, América Latina e Caraibas totalizaram 1.508.833 mortes para 45.531.176 casos, Europa 1.354.283 mortes (70.963.153 casos), Ásia 857.020 mortes (55.132.616 casos), Estados Unidos e Canadá 752.805 mortes (46.612.955 casos), África 215.496 mortes (8.434.262 casos), Médio Oriente 204.767 mortes (13.709.000 casos) e na Oceânia 2.529 mortes (224.573 casos).


O balanço foi feito com base em dados obtidos pela AFP junto das autoridades nacionais e informações da Organização Mundial de Saúde (OMS).


Devido a correções feitas pelas autoridades e a notificações tardias, o aumento dos números diários pode não corresponder exatamente à diferença em relação aos dados avançados na véspera.



RJP // ANP


Lusa/Fim

Tags

Sem comentários

deixar um comentário