03 Dezembro 2021, 13:35

Covid-19: Parlamento Europeu preocupado com “impacto devastador” na América Latina

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Bruxelas, 29 abr 2021 (Lusa) — O Parlamento Europeu manifestou hoje preocupação com o “impacto devastador” da pandemia de covid-19 na América Latina, nomeadamente no Brasil, com alguns eurodeputados a criticarem a gestão do Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, culpando-o da “situação catastrófica” do país.


“O Parlamento Europeu enfatizou hoje a sua profunda preocupação com o impacto devastador que a pandemia está a ter no continente latino-americano e pediu à UE e aos Estados-membros que mobilizem o Mecanismo de Proteção Civil e outros fundos de solidariedade europeus para ajudar a região”, assinala a assembleia europeia em nota de imprensa.


Em causa está uma resolução aprovada por 597 votos a favor, 51 contra e 43 abstenções na sessão plenária, em Bruxelas, na qual os eurodeputados instam também a comunidade internacional a aumentar os esforços para fortalecer a capacidade de distribuição de vacinas da iniciativa de Acesso Global às Vacinas da Covid-19 (Covax).


Com 8,4% da população mundial, a América Latina acumula mais de 20% das mortes globais devido à pandemia.


No documento aprovado, a assembleia europeia vinca que os países latino-americanos devem garantir a disponibilidade de vacinas contra a covid-19 para todos, incluindo migrantes irregulares, refugiados e pessoas que trabalham no setor informal ou vivam em acampamentos informais.


Os eleitos exortam, ainda, os governos europeus e latino-americanos, assim como as organizações internacionais, a intensificarem a luta contra a desinformação relativa à covid-19.


No debate anterior à votação, muitos eurodeputados criticaram a gestão do Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, que culparam pela “catastrófica” situação no Brasil devido à sua “inação” e “falta de crédito na ciência”.


Mais de 395 mil pessoas morreram no Brasil desde o início da pandemia, com as populações mais vulneráveis, entre estas as indígenas, a serem das mais afetadas.



ANE // VM


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário