24 Setembro 2021, 10:30

Covid-19: PCP em frontal oposição às medidas restritivas na Área Metropolitana de Lisboa

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Lisboa, 18 jun 2021 (Lusa) – O PCP manifestou-se hoje frontalmente contra as medidas restritivas aplicadas pelo Governo na Área Metropolitana de Lisboa (AML), considerando que as soluções passam antes pela aceleração da vacinação contra a covid-19, pelo reforço dos rastreios e testagem.


Esta posição foi transmitida pelo líder da bancada do PCP, João Oliveira, em conferência de imprensa, no parlamento, após ser confrontado com a decisão do Governo de limitar a partir das 15:00 de hoje, até às 06:00 de segunda-feira, a circulação de e para a AML.


“O que o Governo devia antes estar a fazer era a reforçar as medidas que permitissem a retoma da normalidade da vida nacional dos pontos de vista económico, social, cultural ou desportivo”, contrapôs o presidente do Grupo Parlamentar do PCP.


João Oliveira salientou depois que a manutenção da chamada matriz de risco da covid-19, “mais do que apontar a possibilidade de concretização de um conjunto de medidas necessárias, serve verdadeiramente para sustentar medidas restritivas como aquelas que estão neste momento a ser tomadas pelo Governo relativamente à AML”.


“Insistimos que aquilo que é verdadeiramente necessário é reforçar a vacinação, o rastreio e a testagem. Isso exige mais profissionais de saúde envolvidos nessas áreas e, particularmente, o reforço das equipas de saúde pública”, defendeu.


Neste ponto, o presidente do Grupo Parlamentar do PCP insistiu que o reforço das equipas de saúde pública “é absolutamente necessário para interromper as cadeias de transmissão”.


“Só fazendo o rastreio dos contactos e a testagem das pessoas por indicação das equipas de saúde pública será possível interromper as cadeias de transmissão e controlar a epidemia. Associado a isto, o avanço do processo de vacinação é absolutamente imprescindível”, acrescentou.



PMF // SF


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário