14 Maio 2022, 03:05

Covid-19: Pequim encerra parte do sistema de metro para combater propagação do vírus

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Pequim, 04 mai 2022 (Lusa) — A cidade de Pequim encerrou hoje cerca de 10% das estações do seu vasto sistema de metropolitano, como medida adicional contra a propagação do novo coronavírus.


As autoridades do metro da cidade anunciaram numa breve mensagem o encerramento de 40 estações, quase todas no centro da cidade, como parte das medidas de controlo da epidemia.


Não foi avançada uma data para retomar o serviço.


Pequim está em alerta máximo face a um surto de covid-19 que provocou algumas dezenas de infetados. A China mantém uma política de tolerância zero à doença.


Restaurantes e bares podem apenas fazer entregas ao domicílio; os ginásios foram encerrados e as aulas presenciais suspensas indefinidamente.


Os principais pontos turísticos da cidade, incluindo a Cidade Proibida e o Zoológico de Pequim, encerraram os espaços fechados e estão a operar apenas com capacidade parcial.


Os bairros onde foram detetados casos estão isolados. As pessoas que residem em áreas “controladas”, incluindo 12 áreas consideradas de alto risco e outras 35 consideradas de médio risco, foram instruídas a permanecer dentro dos limites da cidade.


Os moradores de Pequim são obrigados a realizar três testes por semana, enquanto as autoridades procuram detetar e isolar casos positivos, sem impor um bloqueio geral.


Um resultado de teste negativo obtido nas 48 horas anteriores é necessário para entrar na maioria dos espaços públicos.


Na quarta-feira, Pequim registou 51 novos casos, cinco deles assintomáticos.


O encerramento das estações de metro deve ter relativamente pouco impacto na vida da cidade, numa altura em que a China celebra as férias do Dia dos Trabalhadores.


Parte da população está já a trabalhar a partir de casa.


Todos os negócios foram encerrados, exceto supermercados e lojas de fruta e vegetais.


As pessoas evitam áreas classificadas como sendo de alto risco para reduzir a possibilidade da sua presença ser registada nas aplicações de rastreamento, instaladas em praticamente todos os telemóveis, e que cria possíveis problemas para acesso futuro a áreas públicas.



JPI //CFF


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário