07 Setembro 2022, 21:46

Covid-19: Peritos de pediatria defendem prioridade à vacinação dos adultos e crianças de risco

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Lisboa, 10 dez 2021 (Lusa) — Os especialistas em pediatria que elaboraram um parecer para a Comissão Técnica de Vacinação Contra a Covid-19 defenderam que deve ser dada prioridade à vacinação dos adultos e dos grupos de risco, incluindo as crianças dos 5 aos 11 anos.


“Poderá ser prudente aguardar por mais evidência científica antes de ser tomada uma decisão final de vacinação universal deste grupo etário”, afirma o parecer do grupo de trabalho de pediatria e saúde infantil constituído, entre outros, por peritos da Comissão Nacional da Saúde Materna, Criança e Adolescente, da Ordem dos Médicos, hospitais, pela coordenadora do Programa Nacional de Saúde Infantil e Juvenil da DGS e pelo presidente da Sociedade de Portuguesa de Cardiologia Pediátrica.


No documento divulgado esta tarde pela Direção-Geral da Saúde, os peritos consideram importante “seguir atentamente” a experiência dos países onde a vacina já começou a ser utilizada neste grupo etário.


Defendem também que seria importante conhecer “a seroprevalência da infeção neste grupo etário em Portugal pois níveis elevados de imunidade natural reduziriam o impacto da vacinação”, bem como conhecer o impacto do programa de vacinação dos 12 aos 15 anos em Portugal.


“As crianças que pertencem a grupos considerados de risco para doença grave podem ter um balanço de risco-benefício diferente que justifica prioridade na sua vacinação”, salientam, advertindo que “qualquer que seja a decisão que venha a ser tomada, será importante transmitir informações transparentes e claras sobre os factos e as razões que determinaram essa opção”.


Advogando ser “fundamental e prioritário” manter o processo de vacinação de adultos, os especialistas realçam que, “até hoje, as variantes do SARS-CoV-2 que foram surgindo demonstraram ter maior transmissibilidade, mas sem evidência de maior gravidade em idade pediátrica”.


Sublinham ainda que o grupo de trabalho é constituído por elementos com experiência para avaliar os benefícios e os riscos da vacinação para a saúde da criança, defendendo que “considerações detalhadas sobre impactos educacionais, sociais e económicos mais amplos deverão ser procuradas junto de outros peritos”.


Perante esta situação, os peritos consideram no parecer que “deve ser dada prioridade à vacinação dos adultos e dos grupos de risco, incluindo as crianças dos 5 aos 11 anos”.


Apesar das advertências, a DGS divulgou hoje o calendário da vacinação das crianças dos 5 aos 11 anos.



HN // ZO


Lusa/fim

Tags

Sem comentários

deixar um comentário