18 Outubro 2021, 11:20

Covid-19: PM aguarda inquérito epidemiológico para saber quanto tempo continuará isolado

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Lisboa, 17 dez 2020 (Lusa) — O primeiro-ministro, António Costa, disse aguardar que as autoridades de saúde concluam o inquérito epidemiológico para saber quanto tempo terá de continuar isolado, explicando, sobre a reunião com o Presidente francês, que “nem tudo se consegue resolver à distância”.


António Costa está desde hoje em isolamento profilático preventivo, depois de ter estado na quarta-feira, em Paris, com o Presidente francês, Emmanuel Macron, que testou positivo ao novo coronavírus.


Em conferência de imprensa feita inteiramente por videoconferência para anunciar as novas medidas decididas pelo Conselho de Ministros devido à pandemia, o primeiro-ministro explicou, tal como já tinha sido divulgado, que o teste que tinha feito hoje de manhã – no âmbito da preparação da sua visita entretanto cancelada a São Tomé e Príncipe e Guiné-Bissau e às tropas portuguesas no Mali e República Centro Africana — deu negativo, mas o período de incubação relativamente ao contacto de risco “ainda perdura”.


“E, portanto, tenho que me manter isolado até lá e aguardo, neste momento, que as autoridades de saúde concluam o processo de inquérito epidemiológico para saber durante quanto tempo vou ter que permanecer isolado, mas felizmente sinto-me bem, não estou com nenhum sintoma, estou com condições de manter o trabalho e vou continuar a trabalhar à distância enquanto a saúde assim o permitir”, assegurou.


Em relação ao facto da reunião com o presidente Macron ter sido presencial, o primeiro-ministro português começou por referi que este tinha sido um encontro “muito importante na preparação da presidência portuguesa”.


“Infelizmente nem tudo se consegue resolver à distancia, mas obviamente a proximidade, como se vê também neste caso introduz riscos e aquilo que eu tenho a desejar ao presidente Macron é a sua rápida recuperação e que não tenha produzido contaminações de mais contaminações de mais ninguém, a começar por mim próprio que desejo também não ter ficado contaminado”, explicou.



JF // JPS


Lusa/fim

Tags

Sem comentários

deixar um comentário