08 Dezembro 2022, 20:33

Covid-19: PM britânico vai anunciar novas medidas hoje à noite

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Londres, 04 jan 2021 (Lusa) – O primeiro-ministro britânico vai anunciar hoje à noite novas medidas para conter a pandemia de covid-19 e o Parlamento foi convocado para se reunir extraordinariamente na quarta-feira, sugerindo que poderá ser decretado um novo confinamento nacional. 


“O primeiro-ministro tem sido claro que novas medidas devem ser tomadas agora (…) Ele vai anunciá-las esta noite”, adiantou um porta-voz.


A comunicação televisiva de Boris Johnson está prevista para hoje às 20:00 (mesma hora em Lisboa).


Os deputados, que só deveriam voltar do recesso na segunda-feira, 11 de janeiro, têm de ser consultados para aprovar novas medidas a nível nacional. 


Johnson já tinha admitido no domingo em entrevista à BBC a necessidade de restrições mais apertadas e esta manhã voltou a dizê-lo, durante uma visita ao Chase Farm Hospital, no norte de Londres.


“Se olharmos para os números, não há dúvida de que teremos de tomar medidas mais duras e iremos anunciá-las no devido tempo”, afirmou, à margem de uma visita a propósito do início da administração da vacina Oxford-AstraZeneca.


No domingo, o líder do Partido Trabalhista, Keir Starmer, urgiu Boris Johnson a impor “restrições nacionais nas próximas 24 horas”, alegando que o novo coronavírus está “claramente fora de controlo”.


“Não podemos permitir que o primeiro-ministro desperdice as próximas duas ou três semanas e depois decrete um bloqueio nacional que é inevitável”, alegou.  


A chefe do governo da Escócia, Nicola Sturgeon, anunciou hoje um confinamento na região a partir de terça-feira, determinando que as pessoas fiquem em casa, exceto por razões de força maior, para ajudar a aliviar a sobrecarga dos hospitais e unidades de cuidados intensivos.


“Estou mais preocupada com a situação que enfrentamos agora do que em qualquer momento desde março do ano passado”, justificou.


As outras regiões britânicas, Irlanda do Norte e País de Gales, que também têm autonomia em termos de política de saúde, já tinham iniciado confinamentos após o Natal. 


O Reino Unido é um dos países da Europa que mais sofreu com a pandemia covid-19, tendo contabilizado oficialmente 54.990 mortes de infetados.  


Há cinco dias consecutivos que o país regista mais de 50 mil novos casos diários, aceleração atribuída a uma nova variante do vírus considerada mais infecciosa. 


Quase 80% da população já se encontra atualmente no Nível 4, o mais elevado de uma escala de restrições, que determina o encerramento do comércio não essencial e recomenda que as pessoas fiquem em casa, mas prevê o funcionamento de escolas e universidades. 


Devido ao agravamento da situação epidémica, o Governo britânico já tinha determinado um recomeço faseado das aulas em Inglaterra, mas tem estado sob pressão de sindicatos de professores para manter as escolas fechadas por questões de segurança.


O Reino Unido começou hoje a administrar uma segunda vacina contra a covid-19, desenvolvida pelo laboratório britânico AstraZeneca e Universidade de Oxford, arrancando com 520 mil doses de 100 milhões encomendadas.


Esta vacina é menos cara e mais fácil de armazenar e transportar, pelo que poderá facilitar campanhas de imunização em larga escala, ao contrário das concorrentes Moderna e Pfizer/BioNTech, que precisam de ser guardadas em temperaturas muito baixas.


“[O lançamento desta vacina] é um ponto de viragem na nossa luta contra este horrível vírus”, saudou o ministro da Saúde, Matt Hancock.


A vacina Pfizer-BioNTech, a primeira vacina a ser aprovada para uso no Reino Unido, já foi injetada em mais de um milhão de habitantes desde o início de dezembro, mas não é certo quando estarão disponíveis todas as 40 milhões de doses encomendadas. 


A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1.843.631 mortos resultantes de mais de 85 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.


Em Portugal, morreram 7.118 pessoas dos 427.254 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.


A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.


 


BM // FPA


Lusa/fim 

Sem comentários

deixar um comentário