18 Outubro 2021, 12:26

Covid-19: PM indiano vacinado e campanha de vacinação com problemas

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Nova Deli, 01 mar 2021 (Lusa) – O primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, foi hoje vacinado contra a covid-19, ao contrário de milhares de pessoas que marcaram consultas para receberem a vacina através de uma aplicação com defeito.


A Índia estabeleceu a meta de imunizar 300 milhões de pessoas até ao final de junho, mas até agora vacinou apenas 14 milhões, a maioria trabalhadores da saúde e forças de segurança.


Modi exortou a população, ainda relutante, a participar na campanha de vacinação.


“Apelo a todos os que podem ser vacinados. Juntos, vamos tornar a Índia livre da covid-19”, escreveu Modi numa mensagem publicada na rede social Twitter.


O próprio primeiro-ministro recebeu uma primeira dose da vacina numa operação de comunicação cuidadosamente orquestrada no instituto médico nacional (AIIMS), já que o programa de vacinação foi aberto hoje para pessoas com mais de 60 anos e acima de 45 anos com comorbidades.


No entanto, a aplicação que administra a lista sofreu uma falha antes da abertura dos hospitais e muitos candidatos à vacinação não puderam ser imunizados.


Balachandran Gopalan, tio da vice-Presidente dos Estados Unidos, Kamala Harris, estava entre as pessoas que tiveram problemas com a falha na aplicação.


O académico de 79 anos conseguiu uma marcação no portal do Governo, com um número de registo, para ser vacinado num hospital em Nova Deli.


“Uma vez lá, verificaram os meus dados de registo e disseram-me que não havia alguma indicação”, disse Gopalan à agência de notícias AFP, especificando que os funcionários do hospital não foram capazes de dizer quando poderia ser vacinado.


“É um caos total”, disse Nilanjana Gupta, que levou o seu pai a um hospital em Nova Deli.


Os administradores estavam “sem noção”, Nilanjana Gupta, acrescentando que foram necessárias mais de 30 tentativas para obter um número de registo na aplicação.


Esses problemas foram relatados em toda a Índia. Firhad Hakim, autarca da cidade de Calcutá (leste), admitiu “alguns problemas técnicos” na operação que, de maneira geral, estava a correr bem.


“A segurança foi reforçada dentro e ao redor dos hospitais para controlar a multidão”, acrescentou.


Alguns, como Vijaya Shankar, de 69 anos, foram vacinados num hospital privado por 3,40 dólares.


“Barato. Há tanto tempo que espero, o dia finalmente chegou”, declarou Vijaya Shankar.


A campanha de vacinação está a intensificar-se à medida que a Índia experimenta um aumento no número de contágios, após um declínio dramático nos últimos meses.


Os novos casos aumentaram para cerca de 15.000 por dia, quando há um mês eram 10.000. Novas restrições para o combate ao vírus foram ordenadas nas principais cidades do Estado de Maharashtra.


A Índia é o segundo país mais afetado em número de contágios do SARS-CoV-2, depois dos Estados Unidos, com mais de 11 milhões de casos e 156.000 mortes desde o início da pandemia.


A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.531.448 mortos no mundo, resultantes de mais de 114 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.


Em Portugal, morreram 16.317 pessoas dos 804.562 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.


A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.



CSR // FPA


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário