25 Maio 2022, 14:42

Polícia belga interpelou 239 pessoas após confrontos em marcha contra restrições

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Bruxelas, 24 jan 2022 (Lusa) — A polícia belga anunciou hoje ter interpelado 239 pessoas após a manifestação de domingo em Bruxelas contra as restrições impostas por causa da pandemia de covid-19 e que degenerou em violência, em que 11 pessoas foram detidas.


Num relatório divulgado hoje, a polícia de Bruxelas indicou que foram efetuadas 228 detenções administrativas por “perturbação da ordem pública”, e libertadas todas as pessoas, depois de terem sido identificadas.


No entanto, outros 11 suspeitos — seis belgas, três franceses, um holandês e um afegão — foram detidos por “posse de arma, rebelião contra a polícia e/ou danos”, refere a polícia no documento.


Segundo as autoridades belgas, a iniciativa da organização Europeus Unidos pela Liberdade, criada por um belga, consistiu numa marcha de protesto que, domingo, congregou cerca de 50 mil pessoas em Bruxelas.


A marcha foi a maior mobilização na rua de opositores às restrições registada na Bélgica em dois anos e contou com a presença de manifestantes de países vizinhos, como Alemanha, França ou Países Baixos, acrescentaram as autoridades policiais.


Embora a manifestação tenha decorrido pacificamente ao longo de três horas, a situação degenerou quando os manifestantes chegaram às proximidades de instituições da União Europeia (UE).


Segundo a polícia, “400 a 500” pessoas “procuraram deliberadamente o confronto” com as forças de segurança, lançando vários projéteis e incendiando mobiliário urbano.


Os canhões de água e o gás lacrimogéneo usados para dispersar os manifestantes não impediram que pequenos grupos continuassem os confrontos.


As forças antimotim, “bombardeadas com barreiras de metal e latas de lixo em chamas”, foram obrigadas a recuar para uma entrada do metropolitano para se refugiarem no subsolo.


A violência é “totalmente inaceitável” e algumas imagens são “alucinantes”, denunciou hoje a ministra do Interior belga, Annelies Verlinden, em declarações à rádio pública flamenga. 


Para Verlinden, os “arruaceiros” são membros da extrema-direita, mas também da extrema-esquerda.


Entre os 239 interpelados no total, e além dos cidadãos belgas, a polícia contabilizou 14 cidadãos franceses, nove holandeses, três alemães e dois polacos.


Realizada antes da onda da variante Ómicron, que levou as autoridades belgas a reforçar as restrições, a maior manifestação de opositores até agora em Bruxelas reuniu a 21 de novembro de 2021 cerca de 35 mil pessoas, segundo a polícia belga.


 


JSD // PDF


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário