26 Janeiro 2022, 08:19

Covid-19: Portugal está numa situação confortável e aumento de casos tem impacto moderado

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Marinha Grande, Leiria, 10 nov 2021 (Lusa) — A diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, afirmou hoje que, apesar do aumento de infeções com o novo coronavírus, o seu impacto tem sido moderado e Portugal está numa situação confortável no que toca ao risco de doença grave.


O aumento de casos de infeção pelo novo coronavírus em Portugal “não tem sido muito acentuado e não tem sido acompanhado de doença muito grave”, afirmou Graça Freitas, considerando que o impacto do crescimento do número de casos nos serviços de saúde e na mortalidade tem sido “moderado”.


A “elevadíssima taxa de cobertura vacinal, no país que ultrapassou os 86% de população vacinada” coloca Portugal “numa situação ligeiramente mais confortável que os outros países em relação à probabilidade de vir a ocorrer doença grave na nossa população”, defendeu a diretora-geral da Saúde, na Marinha Grande.


De acordo com Graças Freitas, na segunda e na terça-feira “houve um aumento da procura” de vacinas”, quer em termos de vacinação programada, quer na modalidade casa aberta para maiores de 80 anos, e durante as próximas semanas os organismos da saúde vão “intensificar a vacinação”, o que poderá resultar em “filas”, para as quais apela “à compreensão”, dado o objetivo ser “vacinar muita gente até ao inverno”.


O lema, frisou “é vacinar, vacinar, vacinar, vacinar contra a covid-19 e contra a gripe”, vincou a responsável da DGS, precisando que no país estão em funcionamento 310 postos de vacinação e recusando fazer comentários sobre um eventual regresso da ‘task force’, que era liderada pelo vice-almirante Gouveia e Melo.


Questionada sobre a possibilidade de o aumento de casos levar a novas medidas de contenção na época natalícia, Graças Freitas sublinhou não se estar “numa situação de tudo ou nada” e vincou a importância de intensificar a campanha de vacinação contra a gripe a terceira dose contra a covid-19, “num reforço para que no inverno, na época mais agressiva, as pessoas, pelo menos, não tenham doença grave”.


“Temos que viver ou tentar viver o Natal com segurança e para isso a vacinação é fundamental”, disse, aludindo também à importância de “manter as regras de distanciamento, de utilização de máscara, as regras de conviver com os agregados mais pequenos e as regras de arejamento dos espaços interiores”.


Graça Freitas falava na Marinha Grande onde hoje encerrou o primeiro Seminário sobre “Prevenção da Violência na Saúde”, no âmbito do plano nacional plano de combate à violência sobre profissionais de saúde.


A covid-19 provocou pelo menos 5.062.911 mortes em todo o mundo, entre mais de 250,81 milhões infeções pelo novo coronavírus registadas desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.


Em Portugal, desde março de 2020, morreram 18.222 pessoas e foram contabilizados 1.100.961 casos de infeção, segundo dados da Direção-Geral da Saúde.


A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em vários países.



DA // HB


Lusa/Fim

Tags

Sem comentários

deixar um comentário