05 Dezembro 2022, 08:16

Covid-19: Prémios Grammy adiados para março devido à pandemia

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Nova Iorque, 05 jan 2021 (Lusa) – Os prémios Grammy foram adiados de 31 de janeiro para março, em data a anunciar, devido à pandemia, informou hoje a associação de profissionais da música (Recording Academy), em declarações à Associated Press.


A 63.ª cerimónia dos Grammy, evento de atribuição dos prémios da indústria discográfica americana, decorre em Los Angeles, no Staples Center, Califórnia, onde o número de infeções por covid-19 tem vindo a crescer.


Depois de ter sido numa primeira fase menos afetada do que outros estados dos EUA, a Califórnia tem assistido, desde o início de novembro, a um aumento da covid-19 e tem registado diariamente milhares de novos casos de infeção pelo novo coronavírus.


O estado mais populoso dos Estados Unidos registou, em 31 de dezembro, um recorde de 585 mortes.


O condado de Los Angeles, o epicentro da crise pandémica na Califórnia, ultrapassou as 10.000 mortes pelo novo coronavírus, o que representa 40% das mortes na Califórnia, o terceiro estado a atingir as 25.000 vítimas mortais.


Os organizadores dos Grammy já tinham planeado uma cerimónia adaptada ao cenário de pandemia, sem audiência, apenas com os apresentadores e artistas convidados a atuar durante a emissão, no canal nacional CBS.


A cantora Beyoncé lidera as nomeações aos prémios da indústria discográfica americana, anunciadas no final de novembro, com nove.


Seguem-se Taylor Swift, o rapper Roddy Rich e a cantora britânica Dua Lipa, cada um deles com seis nomeações.


A cantora portuguesa Maria Mendes está também nomeada para os Grammy, os prémios norte-americanos de música, pelos arranjos do tema “Asas Fechadas”, coassinados com o pianista John Beasley.


Maria Mendes, radicada nos Países Baixos, está indicada para o Grammy de Melhores Arranjos, Instrumentais e Vocais, com o tema “Asas Fechadas”, de Amália Rodrigues, que gravou no álbum “Close to me”, com John Beasley e a Metropole Orkest da Holanda, lançado em outubro de 2019.


Para o Grammy de Álbum do Ano estão nomeados “Chilombo”, de Jhené Aiko, o disco homónimo dos Black Pumas, “Everyday life”, dos Coldplay, “Djesse vol. 3”, de Jacob Collier, “Women in music Pt. III”, das Haim, “Future Nostalgia”, de Dua Lipa, e “Hollywood’s Bleeding”, de Post Malone.


Nesta edição há a registar várias estreias em nomeações, nomeadamente do cantor Harry Styles, em três categorias com o álbum “Fine Line”, os sul-coreanos BTS, nomeados para Melhor Performance em Duo ou Grupo, e os Strokes, para Melhor Álbum Rock, com “The New Abnormal”.


Nas categorias de Melhor Canção Rock e Melhor Performance Rock dominam as mulheres, estando nomeadas Fiona Apple, Brittany Howard, Haim, Grace Potter, Phoebe Bridgers e Big Thief, liderados por Adrianne Lenker.


A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1.854.305 mortos resultantes de mais de 85 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.


Os Estados Unidos são o país com mais mortos (353.131) e também com mais casos de infeção confirmados (mais de 20,7 milhões).



AYR (SS/JRS)


Lusa/Fim.

Sem comentários

deixar um comentário