17 Setembro 2021, 20:12

Covid-19: Primeiro-ministro admite “condições incómodas” para vacinação nas próximas semanas

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

O primeiro-ministro admitiu hoje que as condições de vacinação nas próximas duas semanas serão “mais incómodas”, devido ao esforço de aceleração necessário para enfrentar a quarta vaga da covid-19 que afeta o país, e alertou que a luta não terminou.

“O país está ainda a enfrentar esta difícil pandemia, estamos mesmo a enfrentar uma quarta vaga desta pandemia. E não nos podemos distrair, não podemos relaxar, isto exige que aceleremos mesmo o processo de vacinação. Vai ser feito um esforço muito grande nas próximas duas semanas, com condições que serão mais incómodas para quem se vacina, mas que reforçará a segurança de todos e particularmente daqueles que vão ver mais rapidamente alcançada a segunda dose da vacinação”, disse António Costa.

O chefe do Governo falava, no Porto, à margem da cerimónia de apresentação da linha Metrobus Boavista – Império, infraestrutura financiada pelo Plano de Recuperação e Resiliência (PRR).

O primeiro-ministro salientou que o esforço de aceleração do processo de vacinação contra a covid-19 não permite “qualquer distração” quanto ao comportamento social da população, impondo a manutenção das regras de higiene e afastamento físico.

“Esta é uma luta que não terminou, é uma luta que tem de continuar e que temos de a travar”, disse.

Na segunda-feira, o vice-almirante Gouveia e Melo, que coordena a ‘task-force’ responsável pela vacinação contra a covid-19, afirmou que a possibilidade de longas filas nos centros de vacinação era expectável devido ao aumento do ritmo do processo, mas reconheceu que é um problema e terá de ser resolvido.

Na primeira segunda-feira desde que arrancou a vacinação sem marcação de pessoas com 45 ou mais anos, o dia no centro de vacinação do concelho de Oeiras, no Pavilhão Carlos Queiroz em Carnaxide, começou com uma fila de milhares de pessoas que contornava todo o complexo desportivo.

No sábado, o responsável explicou que Portugal iria acelerar o ritmo de vacinação devido à rápida disseminação da variante Delta de SARS-CoV-2, prevendo que seja possível vacinar cerca de 850 mil utentes por semana.

Sem comentários

deixar um comentário