26 Outubro 2021, 20:07

Covid-19: Reino Unido regista 504 mortes com aumento desde a véspera

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Londres, 04 dez 2020 (Lusa) – O Reino Unido registou 504 mortes e 16.298 novos casos de covid-19 nas últimas 24 horas, um aumento relativamente à véspera, segundo o Ministério da Saúde britânico.


Na quinta-feira tinham sido notificadas 414 e 14.879 novos casos, mas a média diária dos últimos sete dias tem vindo a decrescer, sendo atualmente de 438 mortes e 14.448 infeções. 


Desde o início da pandemia covid-19, o Reino Unido contabilizou oficialmente 60.617 mortes de covid-19 e 1.690.432 casos.


Dados de quarta-feira indicavam estarem hospitalizados 14.917 pacientes, o número mais baixo desde 11 de novembro.


De acordo com o instituto de estatísticas britânico ONS, o número de novas infeções de covid-19 diário em Inglaterra caiu para 25.700 na semana de 17 e 23 de outubro, metade do pico atingido na semana pré-confinamento, que começou a 05 de novembro.


O governo disse também que o índice de transmissibilidade efetivo (Rt) no Reino Unido desceu novamente para entre 0,8 e 1, abaixo de entre 0,9 e 1 na semana passada.


Ainda assim, mantêm-se restrições na maioria do país e o País de Gales decidiu proibir a partir de hoje a venda de bebidas alcoólicas em bares, restaurantes e cafés, os quais passam a só poder vender comida para fora a partir das 18:00 horas. 


Mesmo assim, as autoridades continuam a autorizar que quatro pessoas de quatro famílias diferentes socializem em espaços fechados, seja em casa ou bares e restaurantes.


 A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1.507.480 mortos resultantes de mais de 65,2 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.


Em Portugal, morreram 4.803 pessoas dos 312.553 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.


A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.



BM // ANP


Lusa/fim 

Sem comentários

deixar um comentário