04 Dezembro 2022, 14:21

Covid-19: Roménia com 331 mortes em 24 horas, o maior número desde o início da pandemia

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Bucareste, 06 out 2021 (Lusa) — A Roménia registou nas últimas 24 horas um total de 331 mortes provocadas por covid-19, incluindo um bebé de um ano e dois adolescentes não vacinados, o número mais elevado desde o início da pandemia, em março de 2020.


“Do total de 331 doentes falecidos, 303 não estavam vacinados”, assinalou o comunicado que fornece o balanço diário publicado pelo Grupo de Comunicações Estratégicas, órgão do Governo que acompanha a evolução da pandemia na Roménia, onde apenas está vacinada 28% da população.


O número de internamentos hospitalares por coronavírus permanece em alta. Atualmente estão internados 14.569 doentes com covid-19, mais de 1.500 dos quais nos cuidados intensivos.


Na segunda-feira a Roménia suspendeu as operações e internamentos hospitalares não essenciais para garantir assistência nos centros de saúde públicos aos doentes com formas graves de covid-19.


Com um terço da população adulta vacinada, e com apenas a vizinha Bulgária com pior registo, a Roménia é o país da União Europeia com a taxa de imunização mais baixa.


Por outro lado, com 73 mortos por cada mil habitantes, o país regista o terceiro índice de mortalidade por covid-19 mais elevado da Europa, depois da Bulgária e da Lituânia.


O Governo romeno está a aplicar o recolher obrigatório noturno e outras restrições para não vacinados, isentando os que já receberam a vacina, para atrair mais pessoas aos centros de vacinação.


A covid-19 provocou pelo menos 4.813.581 mortes em todo o mundo, entre mais de 235.76 milhões infeções pelo novo coronavírus registadas desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência AFP.


Em Portugal, desde março de 2020, morreram 18.008 pessoas e foram contabilizados 1.072.537 casos de infeção, segundo dados da Direção-Geral da Saúde.


A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em vários países.


PCR // MDR


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário