31 Dezembro 2022, 14:55

Covid-19: Seis países da UE “seriamente preocupados” com atrasos na entrega de vacina

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Bruxelas, 15 jan 2021 (Lusa) — Os ministros da Saúde de seis Estados-membros da União Europeia (UE) afirmaram hoje estar “seriamente preocupados” com o atraso na entrega das vacinas Pfizer/BioNTech, numa carta endereçada à comissária europeia para a Saúde, Stella Kyriakides.


Na missiva — citada pela agência de notícias francesa, AFP – os ministros da Saúde da Dinamarca, Estónia, Finlândia, Lituânia, Letónia e Suécia, referem que o anúncio de atrasos nas entregas das vacinas Pfizer/BioNTech “mina a credibilidade do processo de vacinação” e destacam que, ainda que o processo de compra conjunta de vacinas pela Comissão Europeia tenha trazido “otimismo à União Europeia inteira”, a situação atual é “inaceitável”.


“Vemo-nos agora na obrigação de informar a nossa população e os grupos de risco que a sua vacinação será adiada, não obstante os esforços consideráveis dos nossos governos para assegurar uma entrega dentro dos prazos”, frisam os responsáveis na carta.


Nesse âmbito, os ministros pedem à Comissão para contactar “urgentemente” a Pfizer e a BioNTech para “pedir uma explicação pública” e “sublinhar a necessidade de se assegurar a estabilidade e a transparência das entregas”.


O laboratório norte-americano Pfizer advertiu hoje para uma quebra “a partir da próxima semana” nas entregas das vacinas anti-covid na Europa, com vista a melhorar a sua capacidade de produção, anunciaram hoje as autoridades norueguesas.


“A redução temporária afetará todos os países europeus”, indicou o Instituto de Saúde Pública norueguês.


“Não é conhecido, de momento, o tempo que poderá levar até a Pfizer regressar à capacidade máxima de produção, que será aumentada de 1,3 para dois mil milhões de doses” por semana, segundo a mesma fonte.


A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1.994.833 mortos resultantes de mais de 93 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.


Em Portugal, morreram 8.543 pessoas dos 528.469 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.


A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.



TEYA (AH) // EL


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário