28 Setembro 2021, 06:16

Covid-19: Testes passam a ser obrigatórios para eventos desportivos, culturais e familiares

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

O Governo anunciou que vai passar a ser obrigatório fazer testes de diagnóstico à Covid-19 para se ter acesso a eventos desportivos, culturais e familiares, incluindo casamentos e batizados.

Na conferência de imprensa, realizada após a reunião do Conselho de Ministros, a ministra de Estado e da Presidência avançou também que vai ser necessário fazer testes nas empresas com mais de 150 trabalhadores no mesmo posto de trabalho.

“Há uma alteração no que diz respeito à estratégia de testagem e são incluídas duas novas regras. A primeira diz respeito à necessidade de testagem de empresas com mais de 150 trabalhadores no mesmo posto de trabalho”, disse Mariana Vieira da Silva.

A ministra explicou que essas empresas, por determinação da autoridade de saúde passam, à semelhança do que acontece neste momento na agricultura e na construção civil, a fazer testes aos seus trabalhadores.

Mariana Vieira da Silva precisou que o custo dos testes será suportado pelas empresas e que esta exigência de testagem “depende da determinação da autoridade de saúde que determinará os territórios em que, dado o nível de incidência, evolução ou crescimento, faz sentido, que este controlo seja feito”.

Outra das regras, segundo Mariana Vieira da Silva, passa pela “necessidade de realização de testes como forma de acesso a um conjunto de eventos”, nomeadamente desportivos, culturais e familiares, incluindo casamentos e batizados.

A ministra esclareceu que a obrigatoriedade dos testes nestes eventos passa a ser feita a partir de um número de convidados que será determinado pela Direção-Geral da Saúde (DGS).

“A partir do momento em que a DGS faça sair uma norma que vai dizer qual é o número de pessoas a partir da qual o teste é obrigatório para acesso a esses eventos, os testes vão ser obrigatório para o acesso a essas atividades”, disse.

Teletrabalho deixa de ser obrigatório a partir de segunda-feira exceto em quatro concelhos

O teletrabalho vai deixar de ser obrigatório em todo o território continental, a partir de segunda-feira, exceto nos concelhos de Lisboa, Braga, Odemira e Vale de Cambra.

“Deixa de existir a obrigatoriedade do teletrabalho a nível nacional”, precisou a ministra da Presidência, no final da reunião do Conselho de Ministros.

Mariana Vieira da Silva acrescentou que a obrigatoriedade do teletrabalho “permanece em duas situações”, ou seja, em relação às pessoas imunodeprimidas e “nos quatro concelhos que não avançam no desconfinamento” nas atividades em que o teletrabalho é possível.

O Conselho de Ministros aprovou hoje a resolução que define a nova fase de desconfinamento que prevê, entre outras medidas, a necessidade de as empresas testarem os trabalhadores em função de determinação da autoridade de saúde, sempre que tenham mais de 150 trabalhadores no mesmo local de trabalho, e o regresso dos horários do comércio e restauração para o qual os estabelecimentos estão licenciados.

Sem comentários

deixar um comentário