24 Janeiro 2022, 11:49

Covid-19: Twitter bane conta pessoal da congressista republicana Marjorie Taylor Greene

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

São Francisco, Estados Unidos, 02 jan 2022 (Lusa) — A congressista republicana norte-americana Marjorie Taylor Greene foi hoje banida da rede social Twitter devido a múltiplas violações da política relativa à desinformação sobre a doença covid-19, anunciou a empresa tecnológica.


Em comunicado, o Twitter anuncia que a conta da congressista foi permanentemente suspensa pelo algoritmo lançado em março pela empresa tecnológica, que usa a inteligência artificial para identificar mensagens sobre o novo coronavírus que potencialmente podem causar danos às pessoas.


Duas ou três advertências geram um bloqueio de conta durante 12 horas; quatro resultam na suspensão de uma semana, e cinco ou mais podem fazer com que alguém seja removido permanentemente do Twitter.


O gabinete de Marjorie Taylor Greene ainda não comentou a decisão do Twitter.


A rede social Twitter já tinha suspendido anteriormente a conta da congressista republicana por períodos que variaram entre 12 horas e uma semana.


A decisão hoje anunciada pela empresa tecnológica aplica-se só à conta pessoal de Greene, não afetando a conta oficial que detém na qualidade de congressista.


Um ‘tweet’ de Greene publicado pouco antes do anúncio da suspensão de uma semana em julho afirmava que o novo coronavírus “não é perigoso para pessoas não obesas e menores de 65 anos”.


De acordo com os Centros de Controlo e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos da América (EUA), pessoas com menos de 65 anos representam quase 250 mil das mortes registadas no país devido à doença covid-19.


Greene criticou então a suspensão de uma semana como um “ataque de estilo comunista à liberdade de expressão”.


Marjorie Taylor Greene, representante do Estado da Geórgia e uma das figuras mais polémicas do Congresso dos EUA, chegou a utilizar o Twitter para apelar ao regulador norte-americano para a área da saúde, a Administração de Alimentos e Medicamentos (FDA, na sigla em inglês), para que não aprovasse as vacinas contra a covid-19.


Em termos mundiais, os EUA são o país mais afetado pela pandemia de covid-19, com mais de 800.000 mortes registadas.


O país tem vindo a registar novos recordes de infeções por covid-19 com a chegada da nova variante Ómicron, com mais de 400 mil casos por dia.


A covid-19 provocou 5.428.240 mortes em todo o mundo desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse (AFP), divulgado na sexta-feira.


A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em vários países.


Uma nova variante, a Ómicron, considerada preocupante e muito contagiosa pela Organização Mundial da Saúde (OMS), foi detetada na África Austral, mas desde que as autoridades sanitárias sul-africanas deram o alerta, a 24 de novembro, foram notificadas infeções em pelo menos 110 países, sendo dominante em Portugal.



EL (JML) // SCA


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário